O retrocesso da Rússia

É fundamental que se coloque a ajuda militar internacional à Ucrânia, pois existe o risco do mundo assistir à ascensão

É fundamental que se coloque a ajuda militar internacional à Ucrânia, pois existe o risco do mundo assistir à ascensão de uma nova ordem nas relações internacionais, completamente absurda

Algo que o mundo civilizado não acreditava que poderia voltar a acontecer e que buscou-se evitar desde a Segunda Guerra Mundial, concretizou-se na madrugada desta quinta-feira (24), a Rússia deu início ao bombardeio de cidades ucranianas.

O exército de Vladimir Putin tenta ampliar seu domínio sobre um país vizinho, sem que a Ucrânia tenha cometido qualquer agressão que justificasse uma atrocidade com esta. O que a Rússia está fazendo é um retrocesso, no sentido mais literal da palavra, pois no passado, o mundo já foi baseado em disputas por hegemonia com base no que o poder militar pudesse conquistar. O resultado sempre foi catastrófico, deixando milhões de mortos, desabrigados, feridos, cidades destruídas e economias arruinadas.

É fundamental que se coloque a ajuda militar internacional à Ucrânia, pois existe o risco do mundo assistir à ascensão de uma nova ordem nas relações internacionais, completamente absurda. Nada estimula mais um agressor do que a certeza da impunidade. E as ações da Rússia podem sim ser chamadas de agressão à humanidade e a tudo que se julga correto.

Se a resposta das nações comprometidas com a paz for frágil e passiva, de nada terá adiantado tantos tratados diplomáticos. Isso sem contar as ameaças de resposta “rápida e severa” feitas diante das câmeras, sem medo ou receio algum.
Onde estão os direitos humanos, o estado democrático de direito e a liberdade de expressão? Estão todos ameaçados de extinção.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail