Principais erros de quem teve o auxílio-doença negado

O resultado é disponibilizado após o segurado ter realizado uma perícia médica

Olá, pessoal! Imagine que situação horrível de quem não pode trabalhar por estar incapacitado e ainda teve o auxílio-doença, agora chamado de benefício por incapacidade temporária (após a Reforma) negado pelo INSS!

Infelizmente essa é uma situação de vários segurados que aguardaram há meses para realizar a perícia médica e apesar de ter cumprido os requisitos necessários para o benefício, têm o resultado negativo.

Situações como essa são delicadas, aliás a situação do segurado em teoria deveria dar o direito de ter o auxílio, mas não foi isso que aconteceu e levando em conta toda a frustração e desespero causados, muitas pessoas cometem grandes erros, fazendo com que fique ainda mais difícil conseguir o auxílio-doença.

Mas me acompanha, que eu vou falar com você sobre os principais erros de quem teve o auxílio doença negado e como evitá-los.


Primeiro você precisa saber como consultar seu resultado: O resultado é disponibilizado após o segurado ter realizado uma perícia médica. Posteriormente, você tem algumas maneiras de saber se seu pedido de auxílio-doença foi aceito ou rejeitado pelo INSS: internet; telefone 135; carta pelos correios.

Dessas três formas, a mais eficiente será pela internet, no site do INSS, visto ser a mais rápida e com acesso a informações detalhadas e em tempo real e se você teve a informação de Indeferimento do Pedido, realmente o auxílio-doença foi negado pelo INSS.

Mas doutora, por qual motivo meu pedido foi negado?

Sem uma análise do pedido fica impossível eu relatar o motivo específico, porém os mais comuns são:

  • não completou a carência mínima ou perdeu a qualidade de segurado;
  • documentos incompletos ou rasurados;
  • faltam laudos, exames e atestado para provar a incapacidade;
  • não foi identificada uma incapacidade total para o trabalho.

Lembrando que exitem vários outros motivos para o INSS negar o seu pedido, esses são os mais comuns.

E agora vou te mostrar os principais erros: 01 – Não recorrer da decisão do INSS: É um erro você aceitar a decisão (caso tenha sido negada) sendo que você cumpriu todos os requisitos necessários para ter o auxílio-doença. Quais são as duas possibilidades que normamente acontece quando uma pessoa não recorre:

1 – Voltar a trabalhar: Se, mesmo incapacitado para o trabalho, você retorna às suas atividades profissionais, há grandes chances do empregador ou a empresa não te aceitar de volta, já que você não estará apto a desenvolver suas atividades normalmente.

Não voltar a trabalhar e nem justificar para a empresa: Após ter a negativa do INSS, não retornar ao trabalho sem nenhuma justificativa pode configurar em abandono de trabalho e, neste caso, a pessoa pode ser demitida.

É importante falar que isso acontece quando o segurado não toma nenhuma providência quanto à decisão do INSS e também não retorna ao trabalho, isso sem apresentar nenhuma justificativa.

02 – Perder o prazo para entrar com recurso no INSS: Recorrer no próprio INSS é um dos caminhos para quem está com o pedido do auxílio-doença negado. Nessa possibilidade, o segurado que teve o benefício indeferido entrará com um recurso administrativo, diretamente na via administrativa do próprio INSS e o Instituto deverá, obrigatoriamente, reanalisar o requerimento do benefício negado.

03 – Trabalhar enquanto aguarda a decisão: Para você receber o auxílio-doença, precisa provar a sua incapacidade para trabalhar, seja em razão de doença ou acidente.

Dessa forma, em regra, você não pode trabalhar enquanto espera o resultado do recurso administrativo ou da ação judicial.

Concordo que fica muito difícil para manter a renda enquanto passa por essa situação, porém o ideal é você não trabalhar!

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail