Responsabilidade coletiva

Dizer que o crime está em todos os quadrantes da civilização é, na realidade, um lugar comum! Infelizmente! O fenômeno

Dizer que o crime está em todos os quadrantes da civilização é, na realidade, um lugar comum! Infelizmente! O fenômeno da criminalidade constitui hoje uma das maiores ameaças à vida humana e à propriedade. Nem os templos, nem o lar, nem a escola, nem o balcão, nem a fábrica… nada está seguro porque a onda criminosa não respeita nem fé, nem a inocência, nem tampouco o fruto do trabalho honesto.  É o quadro que todos observam a cada passo.

                Diante, porém, dessa realidade tão dolorosa e deprimente, cabe uma pergunta indispensável: Estarão, porventura, todos os segmentos da sociedade compenetrados de suas responsabilidades? Se cada qual fizesse a sua parte, e de tal modo que nenhuma faixa ficasse distante ou indiferente, decerto as condições de vida seriam melhoradas entre as populações mais carentes. A criminalidade tem muita relação com a miséria social.

                Existem, de fato, indivíduos que são predispostos ao crime e é verdade, porque não gostam de trabalhar, querendo viver de golpes. Mas não se pode generalizar nesse sentido. A fome e o abandono são dois fatores mais freqüentes de delinqüência. Quando a fome chega ao desespero, o indivíduo perde a cabeça e, a essa altura, não é mais responsável pelos seus atos. Há muito relaxamento, muito vício, muita preguiça, é certo, mas precisamos alargar a visão social e observar friamente que na muita falta de escola, muita falta de assistência espiritual, muita falta de educação. Inúmeras criaturas humanas nascem, criam-se, tornam-se adultas, sem a mínima orientação para a vida, simplesmente porque sempre foram relegadas ao submundo da sociedade, como se não fossem gente. Nunca receberam educação moral, nunca ouvira uma palavra de amor ou de solidariedade. Que então podemos esperar daí?… Não seria sensato esperar saísse desse ambiente obscuro e abandonado, quase sempre marcado pela repressão violenta, uma legião de seres pacíficos e sociáveis. Não!

                A própria sociedade tem a sua grande parte de culpa.

                Como destruir os antros do vício e do crime sem melhorar o meio em que vivem as criaturas marginalizadas e desprezadas? É verdade que há gente cordial e honesta nos porões obscuros da vida social, obrigadas a viver em tais ambientes porque não pode ter outro modo de vida. Há também Espíritos certamente em provas. Mas a prova não nos desobriga do compromisso com o próximo, em qualquer situação. Se fosse o caso de apelar  para a prova, seria muito cômodo pássaro ao largo dizendo ao sofredor: É a sua prova. Se você  está aí é porque precisa dessa experiência.

                Ora, convenhamos que não nos compete entrar em julgamento. A responsabilidade é de todos. Se todos os segmentos da sociedade conjugassem esforços em benefício do home marginalizado pela miséria social, pela ignorância e pela falta de princípios espirituais, independentemente de cogitações raciais, de bandeira política ou de configuração religiosa, por certo que não haveria tanto pretexto para a revolta íntima, o ódio, o crime! Voltamos a dizer se cada qual fizesse a sua parte com amor, sem interesses ocultos, muita mudança para melhor teria sido operada até hoje.

                Sem deixar de reconhecer o trabalho meritório de outros movimentos, neste particular, podemos dizer que o Movimento Espírita sempre fez e continua fazendo a sua parte. Os fatos aí estão no Brasil inteiro!

                Nem todos quantos vivem na condição de marginalizados sociais têm formação espiritual para compreender o que seja prova ou missão em ambientes sórdidos. É justamente aí que se faz sentir a ação positiva do trabalho espírita, porque não se limita a distribuir alimentos, roupas ou remédios, mas intensifica uma ação educativa, sem preocupação de proselitismo, esclarecendo, auxiliando e reerguendo o ser humano.

                Não basta a assistência social pura e simples, embora seja muito humanitária, pois é necessário, senão indispensável, desenvolver a assistência espiritual também, que projeta luz no mundo interior da criatura humana apontando-lhe novo horizonte para enfrentar a luta pela subsistência. O pão do corpo reclama o pão do Espírito…

                Tem a nossa Doutrina alguma fórmula milagrosa, algum recurso mágico? Não. O que a Doutrina mostra aos desorientados, aos revoltados, aos desgarrados do bom caminho é a mensagem do Cristo na vivência cotidiana…

Livro: PONDERAÇÕES DOUTRINÁRIAS. Deolindo Amorim (Organizado por Celso Martins). Federação Espírita do Paraná. Curitiba – PR. 2ª ed. 2020.

Manoel Ataídes Pinheiro de Souza. CEAC Guaraniaçu – PR. [email protected]

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail