2019: sobrevivi. Sobrevivestes. Sobreviveremos…

Este é o primeiro artigo do corrente ano. Impossível começar o novo ano sem fazer breves reflexões sobre o ano

Este é o primeiro artigo do corrente ano. Impossível começar o novo ano sem fazer breves reflexões sobre o ano que passou. Neste espaço muito já falamos que as pessoas desejam sempre um ano melhor, porém, raramente fazem as necessárias mudanças em suas práticas diárias para que ele ocorra. Também já comentamos sobre a visão do intelectual socialista italiano Antonio Gramsci (1891-1937) que considerava a passagem do ano um engodo, uma forma do capitalismo renovar a esperança dos trabalhadores que, a despeito da miséria, da exploração e da opressão sofrida durante todo o ano que finda, acreditam surrealmente na redenção sem que uma revolução aconteça. Gramsci, acertadamente afirmava que o sistema não se interrompe e recomeça a cada novo ano. Os acontecimentos do ano anterior prosseguem influenciando e determinando o que ocorrerá no ano que começa. Mas, seja ópio ou não, ver as luzes de natal, a queima de fogos, os cumprimentos de ano novo entre as pessoas que nos são mais queridas, impossível não se deixar contaminar pelo clima festivo, embora saibamos que muito provavelmente 2019 repetir-se-á nos anos seguintes, pois, há condições determinantes que fogem ao nosso alcance. Podemos mudar atitudes e a forma de encarar obstáculos, mas, haverá sempre as decisões tomadas nos grandes centros de poder que nos afetarão dada a nossa condição subalterna característica da classe trabalhadora.

            Qual é a melhor forma de iniciarmos o novo ano? Acredito que esta época deve ser (como é), para muitos, um momento de reflexão sobre a caminhada realizada no ano que passou, e, se os homens constroem a própria história não como a desejam, mas, com as condições dadas como nos ensinou Karl Marx (1818-1883), também é verdade que se por um lado o pessimismo teórico é inevitável, o otimismo prático deve ser a ferramenta utilizada nos embates diários ao longo do período que se inicia. Afinal, o que foi a vida das gerações de trabalhadores que viveram antes da nossa? Uma rotina de exploração, opressão e condições degradantes de trabalho em meio a relações sociais que sempre lhes impuseram a humilhação por sua condição social, como se subumanos fossem, algo que pouco ou nada mudou com o avançar dos séculos. Apesar disso, os integrantes da classe trabalhadora do passado como da atualidade, nunca deixaram de perseguir suas utopias. No dizer de Eduardo Galeano (1940-2015), a utopia está lá no horizonte. Aproximo-me dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.

            A conjuntura política e econômica que hoje se apresenta é extremamente lesiva aos interesses da classe trabalhadora. Trabalhador que sou, olho e escrevo tendo como suporte o chão em que piso. Penso ser muito natural que a leitura de meus artigos ou, a consciência acerca da ideologia que me é própria, incomode (a nível psicológico) pessoas reacionárias que buscam conservar seus privilégios quando compartilhamos dos mesmos espaços públicos. No entanto, surrealmente observo que pessoas mais pobres do que eu também defendem grupos políticos cujos projetos têm uma forte ênfase em garantir a eternização dos privilégios de uma minoria que se beneficia do Estado Brasileiro desde os tempos coloniais. É o famigerado pobre de direita. A desgraça nacional. Afinal, como nos disse Simone de Beauvoir (1908-1996): o opressor não seria tão forte se não houvesse cúmplices entre os oprimidos.  A esse mesmo respeito, o intelectual e escritor Luis Fernando Veríssimo questionado sobre se era cansativo ser de esquerda ou se seria mais cansativo ainda não ser de esquerda, disse: talvez ingenuamente, eu não entendo como uma pessoa que enxerga o país à sua volta, vive suas desigualdades sociais e sabe a causa das suas misérias pode não ser de esquerda. Ser de esquerda não é uma opção, é uma decorrência. Mas que às vezes desanima, desanima. Essa fala faz todo o sentido, afinal somos um país em que as pessoas não sabem o que as ideologias de esquerda e de direita representam. Assim, muita gente vota em candidatos e partidos de direita esperando ser atendidos em reivindicações que constituem a pauta central de preocupações da esquerda e não da direita.

            Segundo o intelectual Jessé Souza, somente duas coisas salvariam o Brasil: consciência de classe e interpretação de texto. É isso que desejo ao povo brasileiro, pois, a redenção do país não virá de cima, o povo precisa estar à altura do país que deseja ter. Não dá para esperar de braços cruzados. É uma construção. Cada um tem que colocar um tijolo. E nenhum prédio fica em pé sem uma base forte. Que em 2020 continuemos alimentando nossas utopias! Feliz Ano Novo!

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail