O corcunda de Notre Dame

No dia 15 de abril deste ano, os jornais divulgaram o enorme incêndio que atingiu a catedral de Notre Dame

No dia 15 de abril deste ano, os jornais divulgaram o enorme incêndio que atingiu a catedral de Notre Dame em Paris, cujas consequências não foram ainda maiores devido à eficiência do corpo de bombeiros que evitou que o edifício colapsasse. Essa mesma catedral conquistou fama internacional devido à obra do escritor francês Victor-Marie Hugo (1802-1885). É também graças ao célebre escritor que a catedral não veio abaixo quando várias outras construções históricas foram desmanchadas para dar lugar à modernidade, seja na forma de prédios ou de avenidas mais largas. Aliás, Victor Hugo, não se conformava com a modernização de Paris estar sendo feita colocando abaixo edifícios que em seu ver constituíam monumentos históricos e arquitetônicos insubstituíveis. Vitor Hugo foi um romancista, poeta, dramaturgo, ensaísta, artista, estadista e ativista pelos direitos humanos. Em sua grandiosa obra, destacam-se os livros: Os miseráveis (1862) e O corcunda de Notre Dame (1831) publicado originalmente com o título Notre Dame – Paris, 1482. Em muitos países, a obra é publicada com este título, porém, com a supressão da data. Por questões comerciais, em vários países o corcunda foi alçado ao papel principal, porém, há várias personagens principais na obra, o arquidiácono Claude Frollo, o corcunda Quasímodo, a cigana Esmeralda, o ator e escritor de peças teatrais Gringoire, o comandante militar Phoebus, a reclusa Gudule, porém, a personagem principal é a Catedral de Notre Dame, pois, é sobre ela e o seu entorno no qual se desenvolve a trama que Hugo após fazer uma grande pesquisa histórica buscou retratar.

            Na obra em questão, Hugo busca mostrar uma faceta da sociedade parisiense no período medieval. Visa também mostrar que, inversamente ao que se pensa, o medievo foi um período de produções filosóficas e artísticas importantes. Na obra, o autor parece nos conduzir pela mão em meio às ruas de Paris daquele longínquo ano de 1482, algo que o era até para ele, pois, viveu no século XIX. A riqueza de detalhes com que descreve as ruas de Paris e os prédios que havia, os quais sequer chegou a conhecer, torna evidente a esmerada pesquisa que realizou. O detalhismo com que descreve a Paris de 1482 pode se tornar cansativa para alguns leitores, para outros, como é o meu caso, trata-se de puro deleite, pois, ao ler, as imagens se formam na mente como se lá estivesse caminhando e sendo apresentado à cidade por Victor Hugo. É certo que Hugo procurou descrever minuciosamente a arquitetura da Paris de 1482, pois, sabia que diante da destruição de muitas maravilhas arquitetônicas, resgatá-las em sua obra constituía a única forma de fazer com que elas não caíssem no esquecimento total. Dessa forma, descreveu em detalhes as mudanças pela qual a catedral de Notre Dame passou por causa de saques e reformas mal feitas devido o descaso e despreparo dos profissionais nela envolvidos visando registrar para a posteridade o significado arquitetônico e cultural para a humanidade da catedral construída entre 1163 a 1345 que mescla o estilo gótico e românico.

Na obra, Hugo mostra a divisão da Paris de 1482 (que ainda pode ser facilmente localizada na planta da Paris atual) em três partes que simbolizavam também a divisão de poderes da época: a Île de La Cité (ilha onde fica a catedral e que simbolizava a Igreja Católica), a Université (onde até hoje ficam antigas e famosas universidades como a Sorbonne) e, a Ville (que representava a Coroa) e também onde ficavam os senhores feudais (o rei não tinha o poder absoluto sobre a cidade). No meio, espremidas e oprimidas ficavam as pessoas comuns. Como o livro tinha objetivo comercial, afinal, se tratava da encomenda de uma obra sobre o medievo feita pelo seu editor, Hugo, bem ao seu estilo, não deixou de fazer uma crítica social à Igreja e à Coroa, enfim, ao sistema social vigente e as injustiças dele resultantes, porém, incluiu na trama um sacerdote angustiado pelos votos de castidade feitos a Deus e o desejo ardente que sente pela bela cigana Esmeralda, por quem também, o corcunda se apaixona, esta por sua vez se apaixona por Phoebus, um militar. As personagens construídas por Hugo na obras são complexas. Dom Claude Frollo é gentil, caridoso, porém, também egoísta e violento. Quasímodo, o corcunda, não é a mera personificação da beleza interior num corpo feio, pois, apresenta uma personalidade que é também sombria. Phoebus é mulherengo e superficial. Gringoire é talentoso, mas, também tolo. Enfim, se você for ler a obra esqueça o desenho animado dos estúdios Disney, Victor Hugo era adepto do realismo e, portanto, em sua obra não há final feliz, muito pelo contrário. Também, no filme que assisti por meio do You Tube constatei que a adaptação apresenta muitos reducionismos, simplificações e omissões de personagens que considero importantes, além de reinterpretações de algumas passagens da obra de Hugo, mesmo assim, vale assistir para ter uma ideia geral, porém, tendo em mente que o livro é muitíssimo melhor.

Sugestão de boa leitura:

Título: O corcunda de Notre Dame.

Autor: Victor Hugo.

Editora: Zahar, 2015, 621 p.

Preço: R$ 30,99 – R$ 54,90.