Perdão ou desculpa

Convivência social não é fácil, convivemos com muitas lembranças passadas das situações que passamos na vida. Primeiro, se formos analisar

Convivência social não é fácil, convivemos com muitas lembranças passadas das situações que passamos na vida.

Primeiro, se formos analisar a palavra desculpa, ela consiste em tirar a culpa do outro. Des(tirar) Culpar (culpa). Mas quando alguém nos desculpa, deixamos de ter culpa? Ou quando desculpamos, a pessoa deixa de ter culpa? Sabe o que vai definir isso? O seu sentimento, pensamento.

Já o perdão, é outro tipo de sentimento. Ele vem para livrar a pessoa que sofreu algo de sentimento negativo. Esse é um dos sentimentos mais difíceis para aprender, PERDOAR.

Pois muitas vezes dizemos que perdoamos. A pessoa que é perdoada fica feliz, mas se quem perdoou somente desculpou e o sentimento negativo continua. Essa é a diferença de perdoar e desculpar. O sentimento que fica na pessoa que “deu” o perdão ou a desculpa. E não em quem recebe.

Como disse, relacionamento, seja familiar, trabalho, amigos, são complicados.

Quando há o perdão de verdade, quer dizer que houve superação, entendimento, aceitação. E a situação não perturba mais seus sentimentos e pensamentos. Mas não quer dizer que será esquecido necessariamente, mas sim que não vai incomodar seu comportamento.

Quando houve somente a desculpa é porque ainda dói, magoa, angustia a situação. Portanto, foi tirado a culpa, mas não os ressentimentos.

 “A Lenda do Perdão

Conta uma antiga lenda que existia uma cidade onde a palavra perdão nunca existiu.
As pessoas eram, portanto, donas da verdade, arrogantes e sofriam de uma terrível moléstia, complexo de superioridade.
A convivência era bastante complicada porque todos se consideravam perfeitos e com isso não enxergavam, nem admitiam seus defeitos, erros e equívocos.
Nessa cidade reinava a vaidade, a competição e a inimizade, por mais que elas andassem disfarçadas por detrás de sorrisos e manifestações de afeto.

Um dia uma mulher, vinda de outra cidade, foi morar lá.
Todos as tardes ia até a padaria e na volta sempre passava por uma praça onde um grupo de rapazes jogava bola.
Certo dia essa mulher estava cheia de preocupações, com a cabeça bastante perturbada e na volta da padaria não se deu conta do caminho que tomou e atravessou a praça no exato momento em que um dos rapazes ia fazer um gol. O jogo parou, todos se olharam e o tal jovem, muito bravo, perguntou a ela:
A senhora não está vendo o que fez? Que falta de atenção, até mesmo de consideração! Custava dar a volta na praça?
E ela respondeu:
– Há cerca de seis meses que todos os dias eu dou a volta na praça para não atrapalhar o jogo de vocês. Hoje, no entanto, eu confesso que me distraí. Estava muito envolvida com meus pensamentos. Peço a todos vocês perdão por isso.
Ninguém entendeu o que ela quis dizer e um dos meninos perguntou:
– Perdão? O que é perdão? Nunca ouvimos essa palavra.
– Perdão é um ato de humildade, embora alguns julguem ser um ato de humilhação”.