Coronel comemora feitos do sub-17 e quer ser sede da Taça Brasil em 2021

Time do Sudoeste surpreendeu no Recife/PE com vice-campeonato. Atletas são sondados por clubes de outros estados

A temporada de 2020 foi a mais desafiadora dos últimos tempos para o futsal brasileiro. Ainda assim, há clubes que conseguiram alcançar feitos importantes e até superar as expectativas. O Coronel, por exemplo, além do acesso à Série Ouro do Paranaense, foi bem nas categorias de base.
O sub-17 vividense, vice-campeão estadual da modalidade no ano passado, disputou a Taça Brasil, no Recife/PE. A vaga do Paraná seria do Foz Cataratas, campeão, mas a desistência abriu a possibilidade para que o clube do Sudoeste disputasse pela primeira vez a competição. 


A campanha 

A Taça Brasil de 2020 foi realizada entre 6 e 12 de dezembro e contou, além do Coronel, com outras 10 equipes: 2 de Julho/MA, Ananindeua/PA, Carlinhos Fraga/PB, Flamengo de Arcoverde/PE, Limoeirense/CE, Madureira/RJ, Minas/MG, Tremendão/BA, Sport/PE e Vivaz/RR
Na 1ª fase, o Coronel venceu Carlinhos Fraga/PB, Flamengo de Arcoverde/PB e Tremendão/BA e perdeu para o Madureira/RJ. Bateu o Ananindeua nos pênaltis na semifinal e foi à decisão. Novamente diante do Madureira, a garotada vividense empatou no tempo regulamentar em 3×3 e perdeu o título na prorrogação: 2×1. Ainda assim, o Coronel encerrou a campanha tendo o artilheiro do certame, Guilherme Mamede (sete gols), e sendo apontado pela imprensa local como a sensação da Taça Brasil.


Diante do desempenho notável, as atenções da diretoria do Coronel voltam-se para a garotada. O supervisor do clube, Evandro Tosetto, defende que os jovens sigam para o sub-20 e então cheguem ao profissional, para uma melhor lapidação, mas não descarta levar alguns deles para os comandos de Renato Mocelin, técnico do time profissional. 
 “A gente sempre trabalha com os pés no chão. Não iremos ‘queimar’ um menino da base do Coronel. Sou tranquilo e prefiro que o garoto vá para o sub-20 e depois suba ao adulto. Mas claro, tendo um potencial diferenciado, iremos analisar, faremos testes e quem sabe alguns deles façam parte do elenco profissional”. 
Não só os dirigentes locais demonstram interesse pelos garotos. O treinador do sub-17, Chrystiano Roberto, revela propostas de outros clubes.  “Do nosso time, o goleiro recebeu proposta do Minas e o pivô Guilherme foi convidado a jogar futebol de campo pelo Madureira. O Coronel quer eles aqui e agora a decisão está nas mãos dos pais”.


Sede da Taça em 2021

O Coronel se sentiu tão à vontade na Taça Brasil que agora pretende trazê-la até sua casa. Chrystiano contou ao Correio que o clube pleiteia ser a sede do certame, projetado para o 2º semestre de 2021. 

De acordo com a assessoria da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) – que organiza a Taça Brasil -, após ter o pedido de sede formulado, Coronel será avaliado. Serão levados em conta aspectos como a estrutura do município de Coronel Vivida. Outro fator que deve ser levado em conta é a distância do município até um aeroporto – que implica em dificuldades no deslocamento dos demais participantes do campeonato. 

“Seria um feito histórico para o nosso município”, defende o comandante, que adianta o calendário do time na próxima temporada: a 1ª Divisão dos Jogos da Juventude e os Paranaenses sub-17 e sub-20. O desafio agora é manter o nível alcançado. 


14 anos de dedicação 

Chrystiano Roberto: amor ao futsal vividense coroado com o vice da Taça Brasil
Foto: Reprodução

Natural de Pato Branco, o professor Chrystiano Roberto foi criado em Coronel Vivida e desde 2006 trabalha com as categorias de base do futsal na cidade. Ele chegou a comandar o time principal em seu primeiro ano de atividades, em 2016, na Série Bronze. Depois, focou na base, colecionando resultados satisfatórios, como o título dos Jogos da Juventude do Paraná de 2017 e o recente vice da Taça Brasil. 

“Conheço o trabalho do Chrystiano e não é de hoje. Acompanhei o treinamento dos meninos antes da viagem e acreditava neles. Não pudemos dar o suporte desejado às categorias de base neste ano, mas o Chrystiano correu atrás e bancou o sub-17 e o sub-20, méritos dele”, reconhece Evandro Tosetto.