“Outro patamar”: Jaison muda projeção da Acau na Série Bronze

Com a volta do pivô a União da Vitória, clube viu o apoio dos patrocinadores ser impulsionado e sonha com acesso à Série Prata

A Acau, de União da Vitória, vai para sua terceira participação na Série Bronze do Campeonato Paranaense de Futsal. Criado em 2017, o clube disputou a terceirona nos dois anos seguintes e só esteve ausente em 2020, em razão da pandemia. Para 2021, diferente dos anos anteriores – quando foi figurante – a diretoria está esperançosa pelo acesso. 

Isso porque a chegada do pivô Jaison Ramos, de 37 anos, está sendo considerada um divisor de água nas pretensões do time. O diretor de esportes Fernando Barulho contou ao Correio do Povo do Paraná que, até então, o projeto seria modesto, com o elenco formado por jogadores de União da Vitória. Jaison, que nasceu no município, decidiu deixar o Foz Cataratas, abrindo mão da Série Ouro e da Liga Nacional, para ficar próximo dos pais. 

A circunstância possibilitou que o jogador assinasse com a Acau e volte a jogar por um clube da cidade-natal após 16 anos. Em 2000, ele fez parte do clube homônimo à cidade, que venceu a Série Bronze. Após ser artilheiro da Série Prata de 2004, ele rodou o Brasil e o mundo. No Paraná, defendeu, além do Foz, Cascavel e Aymoré de Matelândia

“O nosso time deveria ser uma equipe sub-19, mas como temos contato com alguns atletas, migramos para fazer um time misto. Diante disso, surgiu a oportunidade de alguns atletas renomados virem jogar na Acau, como o Jaison”, comentou Barulho.

“Jogadô” caro, bom para os cofres

A vinda de Jaison, inclusive, tem feito bem aos cofres da equipe. Segundo a diretoria, o nome e a credibilidade do atleta têm atraído mais patrocinadores. “Montamos o time para participar, mas agora estamos otimistas. O Jaison é querido na cidade, é bem visto fora. Ele conseguiu trazer muitos patrocinadores para o clube, o que facilita para contratemos mais jogadores de bom nível. Queremos subir para a Prata”, diz Fernando Barulho. 

As pessoas que ajudavam antes com R$ 100, R$ 200, agora dão R$ 500, R$ 1 mil. Antes de ser anunciado, alguns empresários até me ligavam para saber se era verdade a minha volta. Estou voltando para cá da mesma forma que sai, com o carinho e o respeito das pessoas”, diz o jogador. 

Além de Jaison, o goleiro Fabiano, que deixou União da Vitória ainda adolescente, é outro reforço. “Estamos fechando com o Feio, além de outros atletas, que já jogaram aqui em 2019, alguns que jogaram no futebol de campo profissional e teremos as categorias de base nos apoiando”, enfatiza Fernando Barulho. 

Fusão com o Iguaçu

No início de 2020, ainda quando a pandemia não era uma realidade no Brasil e a Acau dava como certa a participação na Série Bronze, cogitou-se uma espécie de fusão com o Iguaçu, o clube de futebol de União da Vitória. Na época, as negociações não fluíram, assim como em 2021, quando os diretores voltaram a discutir o assunto.

“Cogitamos a parceria com o Iguaçu, fizemos reuniões, mas devido à crescente do Iguaçu – já que fomos campeões da terceira e aumentou a responsabilidade, muito é mais coisas para resolver, então alguns deram sinal de positivo, outros foram negativos. Queríamos usar o nome, um marketing muito bom, mas acredito que conseguiremos sucesso também com a Acau. Infelizmente, a fusão não saiu do papel”, conta Barulho. 

Técnico e ginásio

O novo e moderno Ginásio Isael Pastuch/Foto: Reprodução

O técnico da Acau será Kaye Kampmann. Cerca de metade do plantel será formado por jogadores com rodagem no futsal e a outra metade por atletas jovens da casa. O novo e moderno Ginásio Antiocho Pereira será a casa da equipe. 

A Série Bronze deve ter início, de acordo com a Federação Paranaense de Futebol de Salão (FPFS), em 4 de abril. Os clubes têm até 5 de março para confirmar a participação.