Ano letivo de 2021: os desafios

A volta à sala de aula será desafiadora para as escolas e principalmente para os professores. Entenda algumas das preocupações

Em dezembro, o governo do estado do Paraná anunciou que a partir do dia 18 de fevereiro a educação na rede estadual funcionará no modelo híbrido – com as turmas divididas em um revezamento entre alunos em aulas presenciais e remotas.

Com a proposta do ensino híbrido, um grupo de estudantes acompanha a aula presencialmente, na escola, e os outros alunos da turma participam da mesma aula, simultaneamente, de maneira remota.

Uma vez que nem todos os alunos estarão presentes na escola, muitos serão os desafios para as escolas e também para os professores neste novo ano letivo, afinal existe aí uma mudança radical em relação à proposta de ensino tradicional.

Devido a necessidade de adaptação das escolas, investimento em equipamentos e também necessidade de treinamento para os professores, é possível que o ano letivo de 2021 comece da mesma forma que terminou o de 2020, ou seja de forma apenas remota.


Instituições

Segundo o diretor do colégio estadual José Marcondes Sobrinho, Leandro Antonio dos Santos, os maiores desafios são psicológicos e pedagógicos. Ele diz que cita o desafio psicológico, devido à necessidade de adaptar os estudantes à rotina presencial de aulas, acolher os alunos, conversar, preparar o ambiente, proporcionar atividades recreativas e lúdicas, promover palestras com psicólogos e outros profissionais da saúde. “Outro desafio, é o pedagógico, proporcionar uma retomada de conteúdos em cada disciplina, com assuntos importantes que os estudantes possam nesse retorno às aulas apresentar dificuldades”.


Professores

Como toda e qualquer mudança é preciso tempo, paciência e investimento na formação do professor para que ele possa abraçar esse novo lugar com propriedade e confiança. E esse processo é sempre trabalhoso, podendo ser também estressante caso o professor. Sem contar que o medo do vírus, justificadamente ainda se faz presente.

Segundo o professor de língua portuguesa, Antonio Celso da Costa, os professores estão cientes que no ano de 2020 não se obteve o mesmo resultado no processo de ensino, como se teria no presencial. Ele diz que houve um aumento da desigualdade em relação ao aprendizado dos alunos. “ É preciso retomar este ano. O ensino híbrido como está sendo divulgado é uma alternativa , vejo com preocupação esta retomada, não se tem uma segurança para todos os professores alunos.

O professor comenta que é necessário que se tenha salas de aulas adaptadas a esta nova rotina ligada as tecnologias. “Hoje não temos nas escolas equipamentos que possam suprir esta demanda, o que nos faz refletir que temos muito a avançar neste quesito”.

Ele diz que o aumento de casos de coronavírus faz com que professores, alunos e pais tenham mais motivos para preocupação. “A vacina é a única solução para que possamos retornar às aulas com segurança e assim os alunos possam aprender mais e melhor, o que ficou de positivo é que a tecnologia veio para ajudar neste processo de ensino, mas nunca vai substituir o professor”, completa Antonio.

A diretora do colégio estadual John Kennedy, Minéia Canton, diz que o sentimento entre os professores é de insegurança ainda.

“Estamos todos na expectativa de saber como vai funcionar esse novo sistema híbrido. Nós ainda não tivemos treinamento, então, estamos ansiosos nesse sentido”.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail