Responsivo

Dengue: 6 casos e 43 notificações acendem sinal de alerta em Laranjeiras

“Somos a segunda cidade da regional de saúde com maior incidência da doença. Com a colaboração e consciência, nos livrarmos do mosquito sem óbitos”, disse o prefeito Berto Silva

Laranjeiras do Sul está em alerta contra à dengue. Apenas na primeira quinzena de janeiro, o município registrou seis casos e 43 notificações da doença. Além disso, na regional de saúde, a cidade é a segunda com mais incidência de casos. Dado a urgência na saúde pública, o prefeito Berto Silva, junto do secretário de Saúde, Valdecir Valicki, da coordenadora de epidemiologia, Patricia Massuqueto e o chefe da vigilância sanitária, Luiz Aquiles, emitiu um comunicado de consciência à população. “É necessário cuidar do seu espaço e de si mesmo. A dengue é dramática”, disse o prefeito.

Casos
Em meio a mudanças constantes de temperatura na cidade, o secretário Valicki sinaliza o alerta e o intensifica com ajuda de sua equipe. “A época sempre foi propícia para a proliferação do Aedes aegypti. No ano passado, a epidemia iniciou em março e agora, mais cedo, precisamos da colaboração de todos para espantar de vez o mosquito”, informa.
De acordo com Patrícia, no Paraná, 9.184 casos confirmados foram notificados e Laranjeiras é o segundo município com o maior número de notificações e casos confirmados na regional de saúde. “Nossa constante presença como unidade Sentinela, e também à atenção clínica que nossas unidades de saúde da família e hospitais dedicam aos pacientes, notaram o aumento de notificações”, afirma a coordenadora.
Segundo ela, a intenção do trabalho em equipe é evitar casos complicados. “Com a colaboração de todos, podemos evitar óbitos e manter a cidade livre”, completa Patricia.

Controle
O chefe da vigilância, Luiz Aquiles, destaca que a equipe está em campo e atuando de forma contínua, para combater a doença. “Precisamos de união. Nossos agentes enfrentam desafios, inclusive portões fechados em algumas ocasiões. No entanto, é essencial conduzirmos inspeções nos terrenos”, relata.
Aquiles pede aos proprietários que eliminem focos de água parada, indo além dos pequenos recipientes. “Alertamos sobre a inadequada inclinação das calhas das casas, o que pode resultar no acúmulo de água. Portanto, contamos com a colaboração da população. Como Patrícia mencionou, somos o segundo município do Paraná com maior índice de infestação do mosquito, e isso pode rapidamente causar múltiplos internamentos, gerando transtornos à saúde pública local”, informa.

Trabalho em equipe
O prefeito Berto enfatizou a importância do trabalho conjunto das secretarias para combater a proliferação da dengue em uma reunião de emergência realizada no gabinete. “Especial atenção deve ser dada às secretaria de Obras e de Agricultura e Meio Ambiente, embora todas devam participar ativamente nessa iniciativa de defesa da saúde da nossa população”, afirma.
Segundo ele, no que diz respeito à dengue, a prefeitura fortalecerá a equipe de profissionais na vigilância, implementando uma abrangente força-tarefa. “Além disso, realizaremos um trabalho de campo envolvendo diversos agentes, incluindo de endemias, comunitários de saúde e, sobretudo, o pessoal designado para essa finalidade”, disse o prefeito.
Quanto às medidas práticas, Silva explica que a prefeitura realiza bloqueios nas imediações de casos detectados, utilizando um inseticida controlado cedido pelo governo do estado. “Para cada caso detectado, faremos um bloqueio. Em contato com a regional de Saúde, recebemos o inseticida e atenderá às necessidades contra o mosquito”, completa.
Berto faz um apelo à população quanto a consciência em cuidar dos próximos. “Estamos aqui para trabalhar para vocês, mas se não há cuidado e colaboração, teremos problemas graves. Só quem passou pela doença, como é meu caso, sabe o quanto a doença é dramática. É necessário consciência”, finaliza o prefeito.