Responsivo

NRE e prefeitura anunciam reforma do muro do Colégio Laranjeiras

O governo Estadual e Municipal juntos, investirão mais de R$ 200 mil na obra

Representantes do Núcleo Regional de Educação (NRE) se reuniram na última quinta-feira (27), com o vice-prefeito, Valdemir Scarpari, para discutir o problema do muro da escola estadual Laranjeiras do Sul. O governo estadual e municipal concordaram em trabalhar juntos no projeto, que há anos tem afetado uma das instituições educacionais mais tradicionais da cidade, a última vez que o muro caiu (e assim ficou), foi no dia seis de maio de 2019.

Drenagem

“O secretário de Obras, Leonir Luiz Meletti, elaborará um projeto completo de drenagem para garantir uma solução permanente. Juntamente com o prefeito Berto Silva, acompanharemos de perto todo o processo”, afirma Scarpari.

A chefe do Núcleo de Educação, Adriane Schio de Almeida, visitou o gabinete do prefeito duas semanas atrás para solicitar apoio para a parceria e o projeto de drenagem. O muro da escola já desabou duas vezes devido à má drenagem na área. Embora o Estado já tenha investido na renovação da escola, o muro não estava incluso no plano.

O governo estadual, com o apoio do governo municipal, já garantiu mais de R$ 200 mil para abordar o problema. No entanto, ainda é necessário resolver a questão da drenagem.

Contribuição da cidade

O prefeito solicitou que um engenheiro urbano avaliasse a situação e fornecesse um orçamento para a contribuição da cidade. O projeto incluirá a substituição do pavimento em frente ao Banco do Brasil, a instalação de tubulações que levem à rede de esgoto na esquina da rua Coronel Guilherme de Paula e a construção de uma caixa de captação de água na saída do muro do colégio Laranjeiras.

“Essa parceria resolverá o problema antigo do muro desabado no centro da cidade, em uma escola importante e histórica. O gabinete do prefeito está satisfeito em colaborar com o Núcleo de Educação para garantir que o problema seja resolvido permanentemente e que o muro nunca mais fique no chão”, conclui Valdemir Scarpari.