Responsivo

“Pedágio vai ficar mais caro e sem garantia de obras”, diz deputado

Em visita a Laranjeiras do Sul, deputado estadual Requião Filho (PT) falou sobre o momento político: “há um desgaste e uma busca por novas lideranças. Devemos ter esperanças”

“O contrato {do pedágio) não tem garantia de obras nenhuma. Tem garantia para as pedageiras continuarem recebendo. Tem garantias para que a tarifa de pedágio seja reajustada sempre que possível”. O combativo deputado estadual Maurício Thadeu de Mello e Silva (PT), mais conhecido como Requião Filho, esteve na redação ontem (19), onde discorreu sobre suas lutas, como deputado de oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, com destaque para os novos contratos de pegágio. Confira a entrevista.

Correio do Povo do Paraná:  Deputado, temos visto seus discursos sempre levantando algumas questões preocupantes para você aqui no estado. Por exemplo, você foi um defensor de primeira hora para rediscutir o modelo do pedágio. Agora que os dois primeiros lotes já foram homologados pelo governo federal, como você vê a questão?

Deputado Estadual Maurício Thadeu De Mello e Silva: Veja, 54 deputados estaduais eram contra o pedágio. A sociedade civil inteira era contra o pedágio. As grandes cooperativas, o G7, a FIEP, todo mundo estava contra o pedágio. E eu apoio o candidato à presidência {Lula} que veio ao Paraná dizer que aquele modelo de pedágio era um absurdo e que jamais seria aprovado. Eleições passaram. As rodovias paranaenses foram entregues ao governo federal sem nenhuma condicionante e estamos vivendo agora. O pedágio será implementado naquele mesmo modelo nefasto. A minha posição é a mesma. Um crime para o Paraná. Ele vai aumentar o custo para o motorista, vai aumentar o frete. E com aumento do frete aumenta, a comida, aumenta, tudo.

E de repente eu vejo que as grandes cooperativas estão quietas. O G7 está quieto e o que a gente escuta nos corredores da Alep é que eles ganharam isenções fiscais do governo do Estado tão grandes que vão suprir o baque que o pedágio mais caro traria para eles. O problema é que eles são poucos. O pequeno agricultor, o médio agricultor e a pequena indústria vão sofrer e pagar a conta. Esse baque vai pesar muito na economia paranaense. Não entendo qual foi o acordo feito com Brasília e não compreendo os motivos, mas o pedágio hoje assinado pelo Lula, cantado em verso e prosa pelo Ratinho, será um pedágio mais caro amanhã do que ele foi ontem, com 15 novas praças e válido por 35 anos. Então vamos continuar fazendo o possível para barrar isso. Porque o contrato não tem garantia de obras nenhuma. Tem garantia para as pedageiras continuarem recebendo. Tem garantias para que a tarifa de pedágio seja reajustada sempre que possível.

Correio do Povo: Deputado você tem sido um crítico mordaz desde que o governo do estado anunciou a intenção de transformar a Copel em companhia de capital disperso, sem acionista controlador. A mudança societária passaria para o modelo de “corporation”, como ocorreu com a Eletrobras. Como avalia essa discussão atualmente?

Deputado Requião FilhoPodem chamar do que quiser chamar. Porque gato que nasce no forno, não é biscoito, continua sendo o gato. Então é a privatização da Copel. A entrega do controle da companhia para empresas privadas para acionistas privados. Significa automaticamente, a diminuição dos investimentos no Paraná. Porque o sócio privado começa a ver números. Você tem o monopólio, você diminui investimentos e aumenta a tarifa, logo tem muito mais lucro. A Light, foi privatizada em São Paulo e hoje o grupo que opera lá está pedindo falência com um rombo de R$ 11 bilhões. 

A Copel é pública e é hoje a empresa de energia mais eficaz do Brasil. Ou seja, a Copel é boa e ela é pública. Imagine você se o Requião filho, como o governador, tem a Copel pública na mão e nós estamos uma disputa para desenvolver a região da Cantu. Eu posso, como a Copel pública, assim como com uma Sanepar, reduzir o custo da energia, para trazer a indústria para a região. Reduzir o custo da água por 5 anos no contrato de quem trouxer indústrias e gerar empregos.

Agora, a Copel privatizada não tem nada a ver com isso. Vai continuar cobrando a tarifa mais cara possível.

Correio do Povo: Você tem andado muito no interior do Estado. Quais agendas você veio cumprir hoje em Laranjeiras?

Deputado Requião Filho: Vim visitar o jornal Correio (risos) e conversar com os amigos que me apoiaram, rever correligionários, entender a política local.  Vamos ter eleições em breve. Temos que analisar o desenho dos grupos políticos, entender como as coisas vão se assentando e quais possíveis nomes para concorrer às prefeituras. E quando a gente está na região, consegue das pessoas em retrato mais fiel da realidade. Eu fiz votos nos 399 municípios do Paraná. Então tenho compromisso com todo o estado e com a Cantu, de modo especial.

Correio do Povo: E como está o mandato?  Quais as perspectivas que você vê para as próximas eleições municipais?

Deputado Requião Filho: As movimentações já estão acontecendo. Eu acho que a cena política paranaense está tendo uma leitura do que é o que vai ser esse segundo governo Ratinho. Há uma insatisfação por parte desse cenário político com o governador. Há uma busca de novas lideranças. Há uma busca por alternativas e existe um grupo que está no poder há muito tempo.

Esse grupo vem sofrendo um desgaste porque  vêm se fechando cada vez mais no núcleo duro que só atende o próprio núcleo duro. Então essa permanência deles no poder é cíclica. Por isso, as eleições municipais serão muito importantes.

Penso que a população está nessa fase de entender novamente que eles precisam acompanhar mais a política e ter uma reviravolta tanto no Paraná quanto no Brasil.

Correio do Povo: E falando em eleições municipais, qual a possibilidade de você ser candidato a prefeito novamente em Curitiba?

Deputado Requião Filho: Nós temos pelo menos nove candidatos e pré candidatos, inclusive dentro do PT. Tem diversos nomes que já se colocam. Eu, hoje quero servir ao partido, se precisar, eu nunca fugi de uma briga, mas eu procuro construir um Paraná melhor para o amanhã. E como candidato a prefeito da capital, fico muito distantes das demais cidades. Como eu disse, fiz votos em todas as cidades do Paraná. Então tenho esse compromisso.

Correio do Povo: Qual mensagem gostaria de deixar para nossos leitores?

Deputado Requião Filho: Gostaria de dizer que cultivem a esperança. Porque nós temos que trabalhar e acreditar num Paraná e num Brasil mais desenvolvidos. Por exemplo aqui na região, o agro é muito importante. Mas não apenas o grande produtor. Precisamos valorizar a agricultura familiar, que é quem põe comida na nossa mesa. Quem produz o que eu e meus filhos comemos. Eles também precisam ser respeitados. Agora, se a gente alia o agro a indústria e começar a beneficiar os produtos que nós plantamos aqui no Paraná, dentro do Paraná, nós vamos gerar mais empregos, mais riqueza e uma estabilidade econômica muito maior.

Então devemos manter a esperança. Pois quando a política é bem feita, ela muda a vida dos outros. Quando a política é malfeita, ela só muda a vida do político. Então, preste atenção na política e nas suas escolhas nas próximas eleições.