Política

Após impasse, Cida admite antecipar início da transição com Ratinho Jr

A governadora Cida Borghetti (PP) admitiu hoje (31), após encontro em Brasília com o governador eleito, Ratinho Júnior (PSD) e a bancada federal do Paraná em Brasília, antecipar o início do processo de transição para o novo governo. Até agora, Cida vinha resistindo ao pedido de antecipação feito por Ratinho Jr, insistindo em manter o cronograma inicial, que previa o início do processo de transição para 3 de dezembro. 

No último dia 17, a governadora assinou decreto estabelecendo essa data para começar a transição entre as duas administrações. Ratinho Jr pediu que a mesma fosse antecipada para 29 de outubro, logo após o segundo turno da eleição presidencial. Cida, porém, manteve a data inicial. Na última sexta-feira, a equipe do governador eleito protocolou oficialmente um pedido para que a data fosse revista. Na segunda-feira, a governadora reiterou que manteria o início do processo para 3 de dezembro. 

Hoje, porém, após encontro com o governador eleito e a bancada federal do Paraná, para definir as emendas do Estado ao Orçamento da União para 2019, Cida sinalizou rever sua posição. 

Em nota divulgada hoje por sua assessoria, a governadora admitgiu que "ao que tudo indica o início do processo de transição do Governo do Paraná, marcado para o dia 3 de dezembro, será adiantado" e que o assunto foi tratado por ela com o governador eleito em Brasília.  Segundo a nota, "a governadora sinalizou positivamente para a antecipação", e um novo encontro ficou agendado para a próxima terça-feira, no Palácio Iguaçu, "quando os dois devem avançar nas conversas e, em consenso, definir o funcionamento e a nova data para o início da transição".

Orçamento

Em relação à reunião com a bancada, Ratinho Jr pediu que os parlamentares apresentem emenda ao Orçamento Federal destinando R$ 40 milhões em recursos das emendas para o programa "Olho Vivo" de monitoramento na área de segurança.

O encontro reuniu 18 deputados federais. Além dos recursos para a segurança, Ratinho Junior pediu que os deputados orientem as emendas prioritariamente para as áreas de saúde, agricultura e educação.  "Foi uma demonstração da força do diálogo e é a linha que vamos seguir no relacionamento com a bancada e com o governo federal", disse Ratinho Jr.

O encontro foi organizado pelo coordenador da bancada, deputado federal Toninho Wandscheer (PROS). Inicialmente, a reunião seria apenas com o governador eleito. Porém, a equipe da governadora Cida Borghetti (PP) informou na terça-feira (30) à tarde que ela também participaria. A assessoria de Ratinho Jr não mencionou a participação de Cida na reunião.

A governadora já estava em Brasília e se reuniu terça com o presidente Michel Temer (MDB). Cida já havia promovido uma reunião com parte da bancada, mas Ratinho e a maior parte dos deputados não participaram. A reunião ocorreu no mesmo dia do enterro do ex-secretário Cezar Silvestre, na semana passada.

De acordo com o governo, nas solicitações levadas aos deputados, Cida pediu recursos para avançar no processo de informatização da saúde no Estado, para a troca da frota de ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), para apoio aos hospitais filantrópicos, além de novos investimentos em equipamentos do Corpo de Bombeiros, para a estrutura da Agência de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Adapar) e para o transporte escolar.

Os deputados federais relataram que já há entendimentos no grupo para a apresentação de emendas que somam R$ 36 milhões para educação, R$ 20 milhões para segurança, R$ 43 milhões para a saúde, R$ 22 milhões para a área social e mais R$ 50 milhões para agricultura.

Pela lei, as bancadas podem indicar R$ 170 milhões em até seis emendas de execução obrigatória, as chamadas emendas impositivas. Entre essas, por lei, pelo menos uma deve ser destinada à educação, uma à saúde e uma à segurança pública. Além disso, cada um dos 30 parlamentares paranaenses poderá apresentar até R$ 15,4 milhões em emendas individuais. Metade dessas irá para a saúde, seguindo divisão estabelecida na Constituição.