Saúde

Laranjeiras do Sul tem 17 dias para vacinar 30% do público-alvo

A campanha Nacional de Imunização Contra a Influenza está entrando na reta final. Os indígenas do possuem a melhor taxa vacinal do município
["Os idosos tamb\u00e9m s\u00e3o alvo da campanha e registram 68,74% de imuniza\u00e7\u00e3o"] (Foto: Divulgação)

O balanço da 5ª Regional de Saúde de Guarapuava demonstra que Laranjeiras do Sul conseguiu vacinar 64,59% do público-alvo da Campanha Nacional de Imunização Contra a Influenza,  que acaba no dia 31 de maio. Em âmbito nacional 43,5% do público foi vacinado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece que as crianças, gestantes, puérperas, professores, portadores de doenças crônicas, idosos e trabalhadores da Saúde devem ter pelo menos 95% de vacinação. Faltando apenas 17 dias para o fim da ação, Laranjeiras do Sul tem o desafio de vacinar cerca de 30% do público-alvo restante.

A responsável pelo setor de vigilância epidemiológica da secretaria de Saúde de Laranjeiras do Sul, Patricia Massuqueto comunica que os grupos prioritários podem se vacinar em todas as sete unidades de saúde do município. “Nosso apelo é para que a população busque os postos para receber a vacina, que é segura e protege contra o vírus”, informa.

Dentre os participantes do grupo prioritário, os trabalhadores da saúde observam a menor média de apenas 44,95% de vacinação, seguidos pelos portadores de doenças crônicas não transmissíveis com 57,01% e professores com 57,83% de imunização. O destaque da lista foram os indígenas com um número superior ao estimado pela OMS de 123,00%.

Grupo prioritário

(%)

Indígenas

123,00%

Puérperas

89,66%

Gestantes

65,43%

Idosos

68,74%

Professores

57,83%

P. doenças crônicas

57,01%

Trabalhadores da saúde

44,95%

Crianças até 5 anos

57,60%

 

Gripe

A Influenza é uma infecção aguda do sistema respiratório, provocada por vírus, com grande potencial de transmissão. A vacina aplicada nas unidades de saúde é chamada de trivalente e protege contra os principais vírus em circulação. “Quem tomou a vacina no ano passado, deve tomar novamente. A composição da vacina muda a cada ano, de acordo com os vírus circulantes, para garantir a imunização”, comunica Patricia.

A Campanha Nacional de Vacinação se concentra neste período do ano porque a queda das temperaturas no outono e no inverno tende a aumentar as aglomerações de pessoas em lugares fechados e sem ventilação, facilitando a transmissão do vírus.