Saúde

Pessoas com febre amarela não têm sintomas, mas espalham a doença

Até 65% dos indivíduos com a doença são assintomáticos - ainda assim espalham o vírus indiretamente. A prevenção mais eficaz é tomar a vacina
A melhor maneira de evitar a febre é tomar a vacina (Foto: Divulgação)

As notícias da vez sobre febre amarela envolvem a investigação de 38 casos no Paraná, dois casos na região metropolitana de Curitiba e a morte de macacos pela doença na mata de Antonina. “Isso é só a ponta do iceberg, porque muitas pessoas são infectadas, não desenvolvem sintomas e, assim, ficam de fora dos boletins epidemiológicos”, afirma a médica Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim). “Mas, mesmo sem sinais, elas ajudam a transmitir o vírus”, arremata.

Como o macaco, o ser humano não transmite diretamente a febre amarela. No entanto, uma vez infectado, ele guarda o vírus em seu organismo por um tempo.

A especialista afirma que mesmo sem sintomas, os infectados podem estar com o vírus no corpo. Caso essas pessoas sejam picadas por algum mosquito (Sabethes, Haemagogus ou o popular Aedes aegypti), podem passar o vírus para o pernilongo. O mosquito infectado pode sair voando por aí e encontrar outra pessoa e infectá-la, disseminando a febre amarela no processo.

 

Sem sintomas

Segundo alguns estudos, de 40 a 65% das infecções pelo vírus da febre amarela não provocam sintomas. Outros 20 a 30% trazem apenas manifestações leves.

A especialista faz um alerta para quem ainda não se vacinou. “Não podemos esperar um aumento no número de casos sintomáticos aparecer para, só aí, tomar atitudes preventivas”, ressalta Ballalai. Esperar o número de episódios explodir é ineficiente e perigoso, uma vez que essas infecções sinalizam que o vírus da febre amarela já está circulando pra valer.

 

Vitalícia

A única forma de combater a febre amarela é a vacinação, por isso as pessoas que ainda não o fizeram devem procurar um posto urgentemente, independentemente da época do ano. Atualmente, a recomendação de tomar a injeção vale para todas as regiões do Brasil. “As doses estão disponíveis, mas a busca está muito abaixo do desejado”, lamenta Ballalai.

Uma vez recebida a vacina convencional, a pessoa está protegida para o resto da vida, segundo o Ministério da Saúde. Eventuais doses de reforço podem ser discutidas com o médico, porém tratam-se de situações pontuais.

 

Município preparado

A chefe da Vigilância Epidemiológica de Laranjeiras do Sul, Patrícia Massuqueto, alertou cuidado ao apresentar alguns sintomas como: febre alta de início súbito, náusea, vômito e leptospirose. “Caso a pessoa apresente algum destes sintomas deve procurar uma UBS ou hospital urgentemente! É muito importante manter a vacinação em dia”, diz.

Patrícia elucidou que as equipes de saúde do município estão bem organizadas e em constante atenção a qualquer sinal de aparecimento da doença. “As nossas equipes das unidades de saúde receberam um fluxograma de atendimento completo para as pessoas com suspeita de febre amarela, com as condutas a serem adotadas”, finaliza.