Após abril mais seco da história, chuvas voltam de forma irregular ao Paraná

Depois do abril mais seco da série histórica, o mapa de chuvas do Paraná retomou o ciclo esperado em maio,

Depois do abril mais seco da série histórica, o mapa de chuvas do Paraná retomou o ciclo esperado em maio, com precipitações irregulares e pouco abaixo da média em boa parte dos municípios, marcas registradas do inverno paranaense. Nas 13 cidades analisadas pelo Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a chuva acumulada no mês passado foi de 1.119,4 milímetros (mm) – 72,4% do previsto para o período (1.546 mm).

Ainda assim, o volume é 203% superior ao registrado em abril, considerando o mesmo conjunto de cidades (369 mm). “Voltamos à tradicional irregularidade, na espera da entrada de uma frente fria que traga chuva. Aí vem uma massa de ar seco e bagunça tudo”, afirma o meteorologista do Simepar, Lizandro Jacóbsen.

Ele explica que, em maio, a precipitação ficou mais concentrada nas regiões Leste e Norte do Estado. As regiões mais a Oeste, Sudoeste e Noroeste, porém, conviveram com dias mais secos. Em Cascavel, por exemplo, choveu apenas 18% do esperado – 27 mm ante uma expectativa de 150 mm.

Como consequência da estiagem, o governo do Estado decretou no mês passado nova situação de emergência hídrica na Região Metropolitana de Curitiba e no Sudoeste do Estado. O decreto 7.554/21 tem validade de 90 dias e é assinado um ano após medidas semelhantes terem sido adotadas para minimizar os impactos da crise hídrica, que se estende há pelo menos dois anos.

Na semana passada, por sua vez, o Conselho de Monitoramento do Setor Elétrico recomendou à Agência Nacional da Água (ANA) que seja reconhecida a situação de escassez hídrica na Bacia do Rio Paraná. Em nota, o Conselho informa que é crítica a situação hidrológica da bacia com estiagem prevista para os próximos meses.

Segundo o Simepar, em Laranjeiras a previsão do início desta semana é de chuvas moderadas.