Modelo cívico-militar é aprovado por 150 dos votantes

Colégio Estadual Jonh Kennedy foi a instiruição escolhida

O Governo do Estado elencou uma série de escolas que se encaixavam na modalidade cívico-militar, no entanto para que elas realmente pudessem oferecer este ensino diferenciado já a partir do próximo ano letivo era necessário que a maioria dos representantes da comunidade escolar participassem da consulta pública dando seu aval.
No início da semana houve o pronunciamento do Governo do Estado, sendo que cinco escolas da Cantuquiriguaçu foram contempladas, no entanto, nos dias 27 e 28 ainda haveria a consulta aos pais/responsáveis, docentes e funcionários destas instituições, pois eram eles quem decidiam ser favoráveis ou não.
No início da noite de quinta-feira, os resultados já foram divulgados. 


Quedas do Iguaçu
No Colégio Estadual Estadual Vila John Kennedy, de Quedas do Iguaçu, a quantidade apta era de 229, comparecendo 155 votantes, sendo 150 a favor e 5 contra.
Para a chefe do NRE, Adriane Schio de Almeida, o processo transcorreu da forma mais transparente possível. “Cada pai/responsável, docente ou funcionário teve a oportunidade de expressar sua opinião. Foram eles, que de forma espontânea e democrática trouxeram este resultado. Agora precisamos trabalhar nos últimos detalhes para que mais esta alternativa de ensino venha ser um sucesso em nosso NRE”.
Além de questões curriculares, outra mudança trazida pela nova modalidade de ensino que será aplicada em escolas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e no Ensino Médio é a gestão compartilhada entre civis e militares. O diretor-geral e o diretor auxiliar permanecem sendo civis e as aulas continuam sendo ministradas por professores da rede estadual, enquanto o diretor cívico-militar será responsável pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares. Haverá, também, de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho da escola.
“Esse programa será transformador para o Paraná. Para entregar a melhor educação do Brasil, precisamos ampliar os projetos e trazer novas ideias”, afirma a chefe do NRE, Adriane Schio de Almeida.
Ela destaca que a média das escolas cívico-militares no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é 20% maior que a da educação tradicional. “Esse é um modelo vencedor. Se é vencedor, queremos ofertar essa modalidade. A implantação será feita de forma democrática, a educação está se transformando no Paraná. É um modelo em que acreditamos para o futuro”, reforça.
“Teremos aulas adicionais de Português, Matemática e Civismo, para estudar leis, Constituição Federal, papel dos três poderes, ética, respeito e cidadania. Os alunos vão estudar mais”, explica Adriane. No Ensino Médio, haverá, ainda, a adição da disciplina de Educação Financeira.
 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail