Empresas ainda subestimam ataques hackers, mesmo com aumento de casos

Desde o início da pandemia, o mundo ficou acada vez mais digital. Reuniões de trabalho, festas entre amigos, passatempos, estudos

Desde o início da pandemia, o mundo ficou acada vez mais digital. Reuniões de trabalho, festas entre amigos, passatempos, estudos entre outros. Quase tudo é feito online. Por outro lado, o crescimento do meio digital pode trazer perigos, como a sofisticação do cibercrime, que aumentou 300% desde o início do isolamento, segundo levantamento da Kaspersky.

Uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria Marsh, a pedido da Microsoft, indica que mesmo com o aumento de ataques hackers, apenas 16% das empresas brasileiras reforçaram seus sistemas de segurança da informação.

Ameaças

Segundo o estudo, as principais ameaças no país durante a pandemia são, em ordem: phishing, malware, ataques em aplicativos web e mobile, vazamento de informações e negação de serviços. Os ataques que mais aumentaram nos últimos meses foram os de engenharia social (phishing), vírus ou ransomware e ataques a aplicativos de computador.

O grande motivo para o crescimento de cibercrime, de acordo com a pequisa, foi a adoção do trabalho remoto sem os cuidados necessários. Mais de 70% das empresas afirmaram que os colaboradores estão trabalhando com dispositivos pessoais.