Responsivo

Mata Atlântica: Paraná é o 3° Estado que mais desmata no Brasil

Três cidades da Cantuquiriguaçu estão entre as que mais preocupam. Saiba quais são elas

Na última semana, a RPC noticiou no programa Boa Noite Paraná os níveis de desmatamento no País, colocando o Paraná no pódio em 3º lugar e evidenciando as cidades de Nova Laranjeiras, Pinhão e Reserva do Iguaçu como as que mais devastam a Mata Atlântica, segundo o relatório da SOS Mata Atlântica e Instituto Nacional Pesquisa Espacial (INPE).

Conforme o levantamento, foram 2.883 hectares de corte ilegal no ano passado, deixando o Paraná atrás de Minas Gerais e Bahia. O atlas indica que o Brasil perdeu mais de 20 mil hectares de floresta no ano passado.

O levantamento ainda aponta que o Paraná obteve uma queda de 13% em áreas desmatadas em comparação a 2021. Mesmo com a queda, o desmatamento continua preocupando as autoridades, que intensificam a fiscalização para combater o problema.

O Correio do Povo conversou com os responsáveis do Meio Ambiente de Nova Laranjeiras, Pinhão e Reserva do Iguaçu, que compartilharam suas perspectivas sobre o assunto. 

Nova Laranjeiras

Conforme o secretário de Meio Ambiente, Jair Muller, a pasta não é responsável pelo policiamento e fiscalização, mas sim pelo programa de conscientização de reflorestamento. “Nova Laranjeiras é um dos maiores municípios da região e grande parte é área de mata fechada. Os casos de desmatamento são feitos por pessoas de fora, que compram o terreno de mata muito barato e limpam para comercializar”, informa. “Outro caso é o da Aldeia Indígena, onde não podemos evitar, visto que quem atua na área é a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai). É fato, onde há muita área de mata em relação à cidade, há desmatamento em níveis enormes e nas últimas estimativas, 90% vem da aldeia”, completa Jair.

Segundo o secretário, a prefeitura tem parceria com o Instituto Água e Terra (IAT) e com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ao saber dos casos, notifica a Força Verde. “Nosso papel de conscientização é seguido. Sempre reforçamos a plantação de mudas e os cuidados”, finaliza o secretário.

Pinhão

Em conversa com o Engenheiro Florestal, Willerson Raphael Giacomitti, os dados do levantamento devem levar em consideração o território. “Pinhão é o 10º maior município em função territorial do Estado, portanto, se o nível de desmatamento está em questão de área desmatada, sempre estaremos na liderança”, destaca o engenheiro.

“Se levado em consideração, por exemplo, o valor do hectare sobre o valor do território municipal, acredito que esse destaque seria menor”, completa Jair.

Segundo Raphael, a administração municipal adotou três novas áreas de unidades de conservação para preservar o meio ambiente. “Mesmo o ICMS resultando em um valor pequeno, temos de preservar a natureza”, ressalta o secretário.

“Vale ressaltar que a prefeitura não tem competência para autuar quem pratica o desmatamento, apenas denunciar, o que já é feito. O resto, quem realiza é a Polícia Verde, responsável pelos crimes”, finaliza o engenheiro.

Reserva do Iguaçu

Em conversa com o secretário de Meio Ambiente, João Mathias Guimarães Danguy, popularmente chamado de Joãozinho, ele ressalta que as denúncias de desmatamento são encaminhadas ao IAT e sempre fiscalizadas. “Entendemos que Reserva está sendo evidenciada, mas vale ressaltar que toda e qualquer denúncia é controlada pelo Instituto Água e Terra. Quanto mais mata comparada a cidade, mais aumenta o número de desmatamento”, informa o secretário.

João relembra o papel da prefeitura na conscientização ambiental. “Dentro do município temos três estações ecológicas, duas municipais e uma estadual, onde isso reverte todo esse desmatamento. Como setor público, queremos preservar o máximo possível”, ressalta João.

“Com o valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Ecológico, investiremos na comunidade com a iniciativa de plantio de mudas de árvores nativas, por exemplo”, completa o secretário.

Consequências

Em Bocaiúva do Sul, na Grande Curitiba, a polícia flagrou o corte ilegal, inclusive de espécies em risco de extinção. A RPC acompanhou o sobrevoo da região.

De acordo com a polícia, a área de desmatamento tem mais de 60 mil metros, a derrubada foi tamanha que atingiu uma área de preservação permanente. Pela lei, 30 metros na margem do rio deveriam estar preservados.

A perda da floresta atinge, também, outras nascentes e os rios do Estado. A bacia hidrográfica do Rio Iguaçu, o maior do Paraná, perdeu mais de 1.474 ha de floresta. O desaparecimento sistemático da floresta coloca em risco os serviços ambientais como a geração de energia elétrica e o fornecimento