Qualidade e rigor sanitário fazem do Paraná líder em exportação de carne halal

Segundo a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, o Estado exportou US$ 618,172 milhões em carne bovina e frango halal de janeiro a setembro de 2021

O Paraná é o maior exportador de proteína halal do Brasil, considerando o embarque conjunto de derivados de aves e bovinos. A carne halal segue o método produtivo de acordo com as crenças do consumidor muçulmano. Apenas para esta população, conjunto de 22 países de maioria árabe no Oriente Médio e Norte da África, o Estado exportou US$ 618,172 milhões em carne bovina e frango halal de janeiro a setembro de 2021, segundo a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Entre as indústrias certificadas no Paraná, estão Copacol, C.Vale, Jaguafrangos, Seara, Vibra, Coopavel, BRF e Avenorte, de acordo com a Cdial Halal, uma das maiores certificadoras do Brasil.

Considerando o grande número de consumidores muçulmanos em todo o mundo – quase 2 bilhões – o Paraná tem potencial para entrar nesse mercado com ainda mais intensidade. De acordo com o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), o Estado tem 31 frigoríficos habilitados.

Depois do Paraná, o segundo colocado no ranking de exportações de proteína halal de janeiro a setembro é o Rio Grande do Sul (US$ 442,6 milhões), seguido de Santa Catarina (US$ 362 milhões). Em 2020, o Brasil exportou US$ 2,95 bilhões em proteína halal avícola e bovina, sendo US$ 1,9 bilhão em aves e outros US$ 968 milhões derivados bovinos.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destaca que o governo estadual tem trabalhado para melhorar ainda mais esse desempenho. Um dos encontros das autoridades do Estado em Dubai, durante a semana de internacionalização do Governo e de empresas paranaenses, foi com a Cdial Halal, certificadora que atua na América Latina credenciada pelos principais órgãos oficiais dos Emirados Árabes Unidos e do Golfo Pérsico.

“Estamos em tratativas para ampliar nossas vendas de alimentos para o mundo e atrair novos investimentos. A longa tradição de nossas cooperativas agrícolas, a qualidade sanitária reconhecida internacionalmente e a agenda diplomática positiva têm colaborado para manter o Paraná em patamares elevados de comercialização internacional”, disse.

“Temos cerca de 2 bilhões de consumidores muçulmanos no mundo. É preciso aproveitar esse momento em que nos livramos de dificuldades sanitárias antigas para ingressar com mais intensidade nesse mercado”, acrescentou.

Maior produtor de carne de frango no País, o Paraná se destaca também nas exportações dessa proteína. O secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Tamer Mansour, enumera uma série de características que permitiram ao Paraná o protagonismo na produção em larga escala, como clima favorável, disponibilidade de água, terras férteis, grãos cultivados nas proximidades das integrações, grande prevalência de pequenas unidades produtivas com perfil de agricultura familiar – preferido das empresas integradoras, além da infraestrutura para o escoamento.

“Tudo indica que o Paraná continuará a ter importante papel na alimentação diária dos muçulmanos do mundo”, diz Mansour.

Hábitos de consumo

 Quando um produto recebe certificação halal, significa que seu consumo é lícito e permitido ao muçulmano, passando por processos diferentes dos produtos convencionais. No caso do frango, por exemplo, o consumidor árabe prefere a ave tipo griller, que pesa entre 1.200 e 800 gramas. Embora o hábito varie de acordo com o País, geralmente as famílias servem o frango inteiro, uma ave para cada pessoa, conta Mansour.

O abate desses animais segue as regras da religião – precisa ser feito por abatedor ou supervisor muçulmano, por método de corte por lâmina no pescoço, sem dor nem insensibilização elétrica. O sangue, considerado impuro na cultura islâmica, precisa ser drenado. A linha de abate deve estar posicionada em direção à cidade sagrada de Meca (Arábia Saudita) – geralmente indicada por setas no chão dos frigoríficos.

O armazenamento e o transporte são realizados em galpões separados de outros tipos de carne. O processo produtivo também não pode incluir contaminação cruzada com substâncias proibidas pelos princípios religiosos, como o álcool.

Halal

 A certificação halal, que comprova o cumprimento dos requisitos da religião, envolve não apenas alimentos, mas também fármacos/cosméticos, turismo, vestuário, entre outros. Quanto às proteínas animais, os procedimentos diferenciados incluem aspectos como a matéria-prima, higienização, armazenagem e transporte.

Quer ficar por dentro das novidades? Então nos acompanhe pelo Facebook | Twitter | YouTube | Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail