Paraná tem o maior crescimento industrial do País

“A produção começa a reviver os patamares alcançados no período de normalidade. É uma amostra do trabalho de todos os paranaenses”

A produção industrial do Paraná cresceu 7,7% entre agosto e setembro deste ano. É o maior resultado entre os 15 locais analisados pelo IBGE no País. O desempenho é cinco pontos percentuais maior do que a média dos outros estados, e um novo indicativo da retomada mais vigorosa da economia nos últimos meses.
Segundo dados divulgados nesta terça-feira (10), no comparativo de desempenho com o mês imediatamente anterior, é a quinta evolução consecutiva da indústria do Estado. A pesquisa do instituto aponta crescimento de 20,7% em maio; 4,9% em junho; 2,8% em julho; 4,2% em agosto; e 7,7% em setembro. O Estado já alcançou o patamar pré-pandemia, ficando 0,5% acima do nível de fevereiro.
Entre setembro de 2019 e o mesmo mês de 2020 houve crescimento de 3,2% na produção industrial paranaense. O acumulado deste ano (janeiro a setembro) e o balanço dos últimos 12 meses ainda são negativos (-7,2% e -4,8%, respectivamente). Ainda assim, são os índices menos impactados pela crise da Covid-19 entre os estados do Sul.
“A indústria paranaense é muito forte e um dos motores da retomada por conta de sua diversidade e presença tanto na capital como no Interior”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.
 “O bom desempenho da indústria paranaense decorre principalmente da diversificação da produção manufatureira do Estado, englobando, por exemplo, a fabricação de alimentos processados, bebidas, produtos madeireiros e derivados de petróleo, cuja demanda cresceu recentemente”, destacou o diretor do Ipardes, Julio Suzuki Júnior.


Variação 
a variação entre setembro de 2019 e setembro de 2020, os segmentos com melhor desempenho foram a fabricação de produtos de madeira (27,7%), móveis (24%), alimentos (18,2%), bebidas (16,6%), produtos de borracha e de material plástico (13,1%), produtos de minerais não-metálicos (13,1%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,9%). Em relação a madeiras e móveis, são os maiores resultados nacionais.


Acumulado do ano 
O acumulado do ano ainda está negativo (-7,2%). O resultado sofre impacto das baixas na produção da chamada indústria pesada, de máquinas e equipamentos (-32,4%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-40,4%).
De outra parte, há índices positivos expressivos no setor alimentício (9,4%), produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (5,3%) e produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (5,1%). Em menor escala, a fabricação de bebidas (0,9%), de celulose (1%) e móveis (1,8%).


Média móvel trimestral
Segundo o IBGE, 14 dos 15 locais pesquisados tiveram taxas positivas na média trimestral encerrada em setembro. O Paraná cresceu 5%, nono melhor indicador do País, que evoluiu 4,8%.


Nacional
A produção nacional cresceu 2,6% entre agosto e setembro, com 11 dos 15 locais pesquisados em alta. Na comparação com igual mês do ano anterior, a produção industrial nacional aumentou 3,4% em setembro de 2020, com 12 dos 15 locais pesquisados apontando resultados positivos.
No acumulado do ano, frente a 2019, a produção nacional recuou os mesmos 7,2% da indústria local. Entre os estados do Sul, o Paraná fica na frente de Santa Catarina (-9,7%) e Rio Grande do Sul (-10,4%).