Supervisor do Marreco, Mauro Córdova colaborou nos primeiros passos do Operário no futsal

Por Juliam Nazaré Operário e Marreco se enfrentam na quinta-feira (27), pela 7ª rodada da Série Ouro do Campeonato Paranaense

Por Juliam Nazaré

Operário e Marreco se enfrentam na quinta-feira (27), pela 7ª rodada da Série Ouro do Campeonato Paranaense de Futsal. Será o primeiro confronto entre os times de Laranjeiras do Sul e Francisco Beltrão.

Entretanto, a relação entre os clubes existe desde os primeiros passos do Rubrão no futsal. Criado em 1975 como clube de futebol, o Operário aderiu às quadras no início de 2019. Em 25 de janeiro daquele ano, o então novo supervisor do Marreco, Mauro Córdova, veio a Laranjeiras do Sul para uma reunião com o secretário de Esportes do município, Rafael Nascimento, e Gustavo Rossetim, atual técnico do time feminino operariano. 

“O Tilim e o Lucas Yamazaki nos pediram para ir à essa reunião. A relação com o Mauro é de amizade e temos um respeito enorme pelo Marreco”, comenta o secretário Rafael Nascimento. 

Mauro: da FASE ao Operário

Mauro era o nome desejado pela diretoria para dirigir o Operário na Série Bronze. Em 2016, o treinador comandou a FASE na terceirona e alcançou a 6ª colocação. Apesar do acesso não ser alcançado, o resultado foi um dos mais notórios daqueles últimos anos e agradou aos laranjeirenses. 

Quando o Operário adentrava no futsal, Mauro ainda comemorava o título da Série Bronze com o Coronel e acertou para supervisionar a equipe de Francisco Beltrão. 

O encontro entre os cartolas do Operário com Mauro ocorreu numa sexta à noite, quando o supervisor estava a caminho de Curitiba. Na ocasião, Córdova foi o responsável por indicar jogadores para o Rubro-Negro. Ele também possibilitou uma parceria entre os clubes, com o Marreco fornecendo atletas do sub-20. 

“Conversamos desde as partes técnica e administrativa do projeto. Discutimos uma possível parceria com as categorias de base do sub-20 do Marreco, que não aconteceu em virtude do time deles nessa categoria não ter sido montado. O Mauro era o primeiro nome pensado para ser o técnico”, recorda Gustavo Rossetim, presente na reunião. 

Destinos diferentes, destinos felizes 

Mauro Córdova: “A possibilidade do Operário ser ainda maior, é grande, e pelo que vem sendo feito, vai ser”. Foto: Assessoria Marreco

Naquele encontro, os cartolas do Rubrão expuseram o formato almejado da equipe na Bronze: custo-benefício baixo, com jogadores da região, mas com garantia do acesso no fim da temporada. 

“Foi uma ajuda mínima, pela distância e pelas ocasiões, mas sempre que dava estava à disposição. Eu recebi no Marreco uma nova oportunidade, na parte de gestão, e fiquei sentido por não poder atender o convite do Operário. Mas, ao mesmo tempo, fico feliz pelas oportunidades do Marreco, pois estou trabalhando na minha cidade, no clube do meu coração. E foi a melhor opção para todos, pois o Operário deslanchou e o Marreco também conseguiu se organizar”, defende Mauro. 

Tilim quer Mauro no Operário 

O presidente do Operário, Leoni Luiz Meletti, o “Tilim”, revela que ainda espera contar com Mauro na equipe. “Na realidade, eu não conhecia o Mauro, mas por informações da diretoria – Jackson, Gustavo e o Rafael – soube que era um treinador de ponta. O Mauro, depois soube, tem uma trajetória de respeito no futsal. Respeitamo-lo, devemos muito a ele. Estamos no terceiro ano do Operário no futsal e quem sabe num futuro próximo ele possa ser o nosso supervisor”. 

“Tenho um apreço maior pela cidade, por ter trabalhado com a FASE em 2016. Era visível que o Operário seria consolidado, pelas ideias do Rafael, que vislumbra horizontes. Me sinto um pouco torcedor do Operário, do Ampére, do Coronel, de todas as equipes que passei – mas sou muito mais do Marreco, óbvio. A possibilidade do Operário ser ainda maior, é grande, e pelo que vem sendo feito, vai ser”, Mauro.

A situação das equipes na Série Ouro

O duelo de quinta-feira na Série Ouro será de opostos. Com 11 pontos em seis jogos, o Operário está em 4º – dentro da zona de classificação direta para a 3ª fase. Por sua vez, o Marreco somou quatro pontos em cinco partidas e figura em 14º, dentro do Z4. 

“Vejo um Operário equilibrado no campeonato, com grandes resultados contra times da Liga. É uma equipe que já tem o respeito de todos os clubes da Série Ouro e até mesmo da Liga Nacional. Com certeza estará brigando pelas primeiras posições. Vejo o Marreco equilibrado e buscando a ascensão no campeonato. Atualmente estamos no Z4, mas é uma situação momentânea, que esperamos que passe logo”, argumenta Mauro. 

“Somos gratos ao Mauro e espero que continue nos ajudando, perdendo o jogo na quinta-feira…brincadeira (risos). O Marreco é referência nacional, com uma cidade muito mais estruturada que a nossa, mas enquanto caçula estamos representando bem o Centro-Sul. Nosso desejo é que o Mauro um dia defenda as cores do Rubro-Negro”, concluiu Tilim.