Responsivo

Eliane Rohsler e Bárbara Vasconcelos dão dicas de como empreender na Páscoa

Confeiteiras de Laranjeiras contam ao Jornal Correio sobre sua trajetória, inovação e oportunidades no mundo da confeitaria

Em cidades menores, o mercado de confeitaria pode parecer mais desafiador do que em grandes centros. Afinal, o público é menor e a concorrência pode ser acirrada. Mas, para as confeiteiras de Laranjeiras do Sul, Eliane Rohsler e Bárbara Vasconcelos, essa é uma oportunidade de se destacar e conquistar clientes fiéis.

Eliane, natural de Curitiba mas em Laranjeiras desde os 18, iniciou na confeitaria há 10 anos e é proprietária da Rohsler Chocolates. Na época, a cidade ainda não tinha muitas opções nesse ramo, o que foi uma vantagem para ela. Mas, com o tempo, a concorrência aumentou e Eliane precisou se reinventar para continuar crescendo.

Bárbara, de Laranjeiras, também sentiu a necessidade de se diferenciar. Ela começou sua confeitaria oficialmente em 2020 e, desde então, busca sempre inovar em seus produtos e serviços.

Trajetórias

Eliane teve o primeiro contato no mundo dos doces com trufas, a pedido da filha Dany, que buscava uma fonte de renda na época da faculdade. Ao enfrentar momentos ruins nas vendas, desistiu da opção, mas sua mãe não.

Por muito tempo, Eliane vendia seus produtos de loja em loja, até se tornar Microempreendedor individual (MEI) em 2012. “Logo fui apresentada ao Sebrae Tech, para criar minha empresa. A equipe adorou meu trabalho e me presenteou com o nome da empresa. Passou de Trufas da Eliane, para Rohsler Chocolate, com direito à Instagram. Ao me tornar MEI, já iniciei a produção de ovos e é meu carro chefe até hoje”, disse ela.

Bárbara começou empreender antes da marca ‘Com Amor Bá’. Na época da faculdade ela vendia pastel de leite ninho com nutella no ônibus. Ela conta que o incentivo para colocar a mão na massa foi crescer ao lado da avó cozinheira. “Sempre gostei do assunto e de comer doce. Em 2018, quando cursava nutrição, queria viajar e precisava de dinheiro. Foi aí que uni o útil ao agradável e tudo começou”, relembra a confeiteira.

Sem ter muita prática com panificação e confeitaria, ela fala que não teve muito retorno no primeiro ano e pausou a ideia por alguns meses. Em abril de 2019, logo após a Páscoa, com a criação do perfil do Instagram, iniciou a venda por encomendas de bolos pequenos e outros produtos, na busca por especializações para ampliar o cardápio.

Neste meio tempo, surgiu a ideia de lançar o cardápio de Páscoa em 2020 e desde então, se passaram quatro anos.

Melhor ano

A resposta das duas é unânime: a pandemia foi o melhor ano de vendas.
Ao enfrentar o período de 2020 e 21, Bárbara afirma que foi diferente do esperado. “Em questão de pedidos e faturamento, estes foram os melhores anos, por incrível que pareça”.

Segundo ela, outro fator que contribuiu foi que o produto era novidade. “Não havia tanta concorrência para ovos de colher, então foi uma grande oportunidade para mim”.

Para Eliane, o fato de trabalhar online foi o que mais contribui para o bom faturamento, já que só o mecanismo de enviar o cardápio para escolha e combinar o horário de retirada, movimentou a empresa. “No início, perdi as esperanças. Me perguntei como ia faturar e em um período tão difícil, mas como tudo acontece no tempo certo, com o uso de máscaras e nos adaptando ainda mais no atendimento online, foi um sucesso”, comenta Eliane.

Dificuldades

Eliane conta que na produção, ao longo dos anos, não encontrou nem uma dificuldade, mas que ao perder o filho 2021, pensou em desistir da Páscoa. “Ele era o meu maior incentivador. Quando o perdi em janeiro, enfrentar a data que mais me lembrava dele foi desafiadora, mas venci. Sei que era da vontade dele que o cardápio saísse e foi um dos melhores anos”, relembra emocionada.

Bárbara destaca que a única dificuldade enfrentada é manter a organização e agradar o cliente. “Por estar há quatro anos no mercado, a produção aumenta e é necessário trabalhar em torno disso com organização e qualidade”.

Inovação

O segredo de Eliane para se reinventar anualmente é a busca por conhecimento e novidades. Ela afirma que para apresentar um cardápio bonito e gostoso é preciso estar atento nas redes, cursos e executar um trabalho com maestria. “Não é só por em prática o comum, mas procurar cursos. Anualmente sinto a necessidade de sair do básico e oferecer mais opções. A ideia é sempre se destacar, seja na imagem ou no gosto”, brinca, a proprietária da Rohsler Chocolates.

Bárbara afirma que pesquisar por sabores que estão em alta é uma opção. Diferente de Eliane, ela aprimora os sabores que já estão no cardápio e no gosto dos clientes. “Qualidade é a palavra certa. Quem procura meus produtos, sabe o que vai encontrar. Busco aprimorar a qualidade e o sabor, e sei que funciona, pois tenho clientes fixos desde 2020”, diz a confeiteira.

Conselho

Para quem deseja iniciar na confeitaria, Eliane e Bárbara deixam conselhos e dicas. “O primeiro passo é gostar do que faz e buscar conhecimento. O diferencial é confiar e colocar em prática tudo que aprendeu e claro, uma boa propaganda com fotos ajuda muito”, diz Eliane. Bárbara aconselha que o diferencial é saber administrar o que pode ser criado a partir de um sonho. “Ao empreender, o pensamento tem que mudar. Não é um produto simples, mas a sua marca e por isso, é preciso dedicar-se. Seguir receitas não é suficiente, é preciso criar a sua”, finaliza.