Agronegócio

Paraná vai produzir 39 milhões de toneladas de grãos em 2018

O Paraná deverá produzir neste ano de 2018 um total de 39 milhões de toneladas de grãos, considerando a segunda safra de milho e a safra de inverno que estão sendo plantadas. Esse volume, se consolidado, representa que a produção da safra 2017/18 está acima da média dos últimos quatro anos, que foi de 38 milhões de toneladas.

Essa é a projeção da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento para este ano, divulgada nessa semana, cujo acompanhamento mensal passou a incorporar os resultados da safra de inverno que se inicia. O Departamento de Economia Rural (Deral) está estimando uma safra de cereais de inverno entre 3,9 e 4,0 milhões de toneladas se não ocorrer problemas climáticos graves.

A safra de verão se encaminha para o final de colheita devendo atingir uma produção de 22,4 milhões de toneladas, e a segunda safra de milho deve contribuir com um volume esperado de 12,3 milhões de toneladas, também se o clima não atrapalhar.

 

TRIGO

De acordo com estimativa do Deral, a área plantada deve crescer cerca de 8%, que corresponde a um adicional de 80 mil hectares. Assim, a área avança de 970 mil hectares plantados no ano passado para 1.050.000 hectares que devem ser plantados este ano.

Com isso, a produção deve alcançar volume de 3,3 milhões de toneladas, aumento de 49% em relação ao ano passado. A região que mais aumenta a área é a Oeste. O aumento na produção é reflexo da quebra de safra ocorrida no ano passado e também ao alongamento do ciclo da soja, provocado por problemas climáticos no ano passado e início deste ano, que inviabilizou o plantio de milho da segunda safra, favorecendo o plantio do trigo que ocorre mais tarde.

O preço do trigo aumentou cerca de 11% em relação à safra anterior, passando de R$ 31,73 a saca no ano passado para R$ 35,36 a saca, em média, este ano.

 

SOJA

A soja da safra 17/18 está com 81% da área plantada já colhida, com ritmo ainda um pouco atrasado por causa do clima durante o desenvolvimento da lavoura, que alongou o ciclo da cultura. Primeiro, a soja enfrentou seca e depois excesso de chuvas.

Mesmo assim, a safra foi boa devendo render um volume de 19,1 milhões de toneladas, 4% inferior ao ano passado, quando foi recorde e rendeu 19,8 milhões de toneladas. A área ocupada com a cultura alcançou um total de 5,4 milhões de hectares, 3% a mais que no ano anterior.

Para o produtor o momento é propício para a comercialização com a valorização de 14,5% no preço da soja. Em março deste ano o preço médio da soja foi cotado, em média, por R$ 68,60 a saca, contra R$ 59,90 a saca na média do ano passado.

 

MILHO

O Paraná está concluindo o plantio da segunda safra de milho, que deve ocupar uma área de 2,15 milhões de hectares, uma redução de 11% sobre o plantio ocorrido na mesma época no ano passado. A produção esperada é de 12,3 milhões de toneladas, 7% a menos que no ano passado quando a segunda safra de milho alcançou volume de 13,3 milhões de toneladas.

Entre a primeira e segunda safra de milho o Paraná deve produzir este ano 15 milhões de toneladas, que corresponde a 17% da produção nacional que este deve alcançar volume total de 87 milhões de toneladas. A safra nacional também está registrando redução de 10 milhões de toneladas no volume colhido, em função do clima que atrasou os ciclos das lavouras de verão também em outros estados.

 

FEIJÃO

A colheita da primeira safra de feijão plantada no Estado já foi concluída. A produção obtida está estimada em 311.337 toneladas, volume 18% menor que no ano passado, quando a primeira safra rendeu 368.157 toneladas. A quebra da safra foi provocada pelo clima, com excesso de chuvas durante o desenvolvimento da lavoura.

Este ano, a área cultivada com essa cultura alcançou 200.963 hectares, uma redução de 20% quando comparada com a área cultivada em 2017, que ocupou 251.625 hectares. A produção estimada pelo Deral é de 384.792 toneladas, volume 11% maior que no ano passado quando a segunda safra de feijão atingiu volume de 346.610 toneladas.

Segundo o Deral, o feijão de cor estava cotado a R$ 122 a saca em março do ano passado e este ano é vendido por R$ 82 a saca. O feijão preto era vendido por R$ 127 no ano passado e este ano é vendido por R$ 105 a saca.