Projeto sobre descarte de óleo de cozinha de Cristina Silvestri, está aprovado

Política

  • Compartilhe Essa Notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
Assessoria
Assessoria

Projeto de lei da deputada estadual Cristina Silvestri que propõe medidas de reciclagem de óleos de origem vegetal e animal de uso culinário e seus resíduos, em todo o Estado  aprovado pela Assembleia Legislativa do Paraná.

Recentemente, outros dois projetos de autoria de Cristina Silvestri foram sancionados pelo governador Beto Richa – um, transformando Guarapuava em Capital da Cevada e do Malte do Paraná; outro, incluindo a Pesca Esportiva no Calendário Turístico Anual do Estado.

Paralelamente, a deputada entrou com centenas de propostas de convênios beneficiando diversos municípios paranaenses com recursos financeiros para aquisição de equipamentos e benfeitorias em infraestrutura de grande porte, muitas já entregues ou em prestes a serem executadas.

Meio ambiente

O projeto de reciclagem de óleo vegetal está provocando uma ampla repercussão na imprensa paranaense, devido ao resultado positivo que trará, com ações para minimizar os impactos ambientais que o despejo inadequado deste tipo de produto pode causar. A proposta determina que empreendimentos que trabalham com o fornecimento de refeições em geral, e também estabelecimentos que comercializem óleos vegetais, realizem o descarte adequado dos óleos de cozinha usado e de seus resíduos, em conformidade com as políticas elaboradas pelo órgão ambiental competente.

Reciclagem

Segundo o projeto, os recipientes com o óleo de cozinha usado deverão ser armazenados adequadamente e encaminhados para instituições como os próprios fabricantes deste tipo de produto ou seus representantes legais, empresas especializadas em reciclagem do material, ou a organizações não governamentais e associações de catadores e cooperativas locais com atividades voltadas para esse fim. “Muitos bares, restaurantes, hotéis e residências ainda jogam o óleo utilizado na cozinha direto na rede de esgoto, desconhecendo os prejuízos dessa ação.

Contaminação

Quando retido no encanamento, o óleo causa entupimento das tubulações e faz com que seja necessária a aplicação de diversos produtos químicos para a sua remoção e, se não  houver um sistema de tratamento de esgoto, o óleo acaba se espalhando pela superfície dos  rios e represas, contaminando a água, o ar e a vida de muitos animais, inclusive o homem.

“Dados apontam que 1 l (um litro)  de óleo é possível contaminar 20.000 l (vinte mil litros) de   água e, se acabar no solo  o líquido pode impermeabilizá-lo, o que contribui com enchentes e

alagamentos, bem como  pode  entrar em um processo de decomposição liberando gás  metano , o que agrava o efeito estufa”, destaca a deputada.

  • Compartilhe Essa Notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter