Companhia de Polícia de Laranjeiras será elevada à Companhia Independente. Entenda

Em entrevista exclusiva ao Correio do Povo, o tenente Rudnick explicou que Laranjeiras ficará responsável por si mesma e mais nove cidades

Dependendo apenas da assinatura do governador Ratinho Jr, a luta do Conselho de Segurança pela elevação da 2ª Companhia Independente é antiga. No governo de Beto Richa, foram protocolados vários ofícios e enviados diretamente para o então governador e na Casa Civil, comandada por Valdir Rossoni. O presidente do Conseg na época, Ariel Oro esteve na capital do estado várias vezes reforçando o pedido para que a Companhia se tornasse Independente.

Em entrevista ao Correio do Povo, a presidente do Conseg Jakeline Buratti e o Tenente Rudnick da Polícia Militar falaram sobre a importância desta conquista para a região.

Conforme o tenente, o principal motivo para a elevação da Companhia Independente em Laranjeiras, é a sobrecarga do 16º Batalhão da Polícia Militar de Guarapuava. Ele conta que no momento, o BPM é responsável para seguridade de 24 municípios. “Assim que o governador assinar o decreto, Laranjeiras ficará responsável por 10 cidades. Além dela mesma, acolherá também: Marquinho, Rio Bonito do Iguaçu, Nova Laranjeiras e Porto Barreiro. E ainda, Cantagalo, Goioxim, Virmond, Palmital e Laranjal”.

“Nós como Conseg, acompanhamos o trabalho das forças de segurança, sabendo o que os policiais enfrentam no dia a dia, as dificuldades, a falta de recurso humano e de equipamentos. Não vemos a hora que a Cia Independente de Laranjeiras seja concretizada”, diz a presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) de Laranjeiras do Sul, Jakeline Buratti.

Para o tenente Rudnick, só assim a cidade terá reforço no contingente da Polícia Militar e na estrutura. “Quando se tornar independente, ou seja, desvinculando-se do batalhão, a seguridade dos 10 municípios trará grande demanda e um aumento da visibilidade para a cidade, auxiliando o Batalhão de Guarapuava, objetivo inicial. Ao passar dos anos, a capacidade de gestão aumenta, trazendo melhorias à instituição”.

Situação atual

Para obtenção da Companhia Independente, devem ser seguidas três etapas:
1º A criação da lei que autoriza a desvinculação do Batalhão e a torna Companhia Independente.
2º Reestruturação interna, burocracias relacionadas aos quadros organizacionais, alteração de sistemas, recolocação de efetivos e situações de pendência a nível institucional.
3º Assinatura do governo, dentro da sua conveniência e orçamentos por meio de decreto.

“Existe um estudo elaborado por trás da instalação, como pelo número de habitantes na região e a demanda criminalística”, explana Rudnick.

“Estamos aguardando o decreto vindo do governo, aliás, se esse decreto fosse assinado imediatamente após a criação da lei, o processo ainda assim demoraria, visto que mudanças são necessárias”, continua Rudnick.

Estrutura

A estrutura atual é suficiente para o atendimento da demanda, ou seja, não necessita de reforma. Conforme o tenente, com passar do tempo, se for necessária a ampliação de salas, serão feitos projetos e apresentados ao governo, pois há o aval para modificação.

Rudnick cita o exemplo do município de Porto Barreiro, que planeja a construção da sede própria do destacamento. “O lote é emprestado pela prefeitura. Assim que o espaço for vistoriado, o projeto será devidamente adequado e vinculado ao Estado, que determinará o orçamento referente à construção”.
No caso de Laranjeiras, o espaço é adequado, basta que seja feita uma ampliação ou reforma, conforme a necessidade.

Mais contratados

Serão contratados policiais militares, mas não com a finalidade específica de completar as vagas da Companhia Independente. “Há uma defasagem em geral e o efetivo precisa ser reposto, feito por meio de um concurso público”, conta Rudnick.

A Companhia Independente exige implantação de grupos especializados como Choque, Canil, além do aumento de efetivo, atualmente 70 PMs, passaria para aproximadamente 240 PMs, entre Praças e Oficiais.

Por que Laranjeiras?

O aumento da demanda populacional motiva a reestruturação da organização policial militar, para que possa aliviar algumas regiões e dar uma maior capacidade operacional administrativa às outras.
“Diferente dos boatos, a Cia Independente não foi elevada em nossa cidade por conta dos assentamentos na região, visto que a situação, se comparada há alguns anos não é mais a mesma”, enfatiza. “Em relação aos outros problemas, são questões que estamos acostumados a lidar junto ao Batalhão de Cascavel e Guarapuava”, finaliza Rudnick.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail