Entenda como e porque ocorre a intolerância à lactose

Muitos dos alimentos presentes na nossa dieta diária contêm o componente na formulação, como chocolate e iogurte, o que impõe alguns desafios para intolerantes

Intolerância à lactose é o nome que se dá à incapacidade parcial ou completa de digerir o açúcar existente no leite e seus derivados. Ela ocorre quando o organismo não produz, ou produz em quantidade insuficiente, uma enzima digestiva chamada lactase, que quebra e decompõe a lactose, ou seja, o açúcar do leite.
Como consequência, essa substância chega ao intestino grosso inalterado. Ali, ela se acumula e é fermentada por bactérias que fabricam ácido lático e gases, promovem maior retenção de água e o aparecimento de diarreias e cólicas.
Alergia e intolerância: diferenças
É importante estabelecer a diferença entre alergia ao leite e intolerância à lactose. A alergia é uma reação imunológica adversa às proteínas do leite, que se manifesta após a ingestão de uma porção, por menor que seja, de leite ou derivados. Enquanto que a intolerância é a incapacidade de digerir açúcares de leite, causada pela falta de enzimas lactase.


Atividade
Segundo a doutora em nutrição Larissa da Cunha Feio Costa, durante os períodos neonatais e de lactância, a atividade da enzima lactase é alta em todas as populações humanas e após o desmame vai diminuindo, permanecendo em níveis baixos.“Essa redução da atividade da lactase é geneticamente programada e irreversível, o que resulta em má absorção primária de lactose”.
Pode haver também a diminuição ou ausência da capacidade de produzir a lactase, devido à presença de doenças que causam dano na borda em escova da mucosa do intestino delgado ou que aumentem significativamente o tempo de trânsito intestinal, como nas enterites infecciosas, giardíase, doença celíaca, doença inflamatória intestinal. 


Sintomas
Existe uma grande variabilidade de sintomas entre os pacientes com intolerância à lactose. A lactose que não é hidrolisada se acumula no colón onde é fermentada pela flora intestinal. “Essa fermentação leva a formação de gases, que são os responsáveis por flatulências, dores abdominais e distensão, pode ocorrer também diarreia, constipação e vômitos. As fezes usualmente são volumosas, espumosas e aquosas’’ alerta a especialista.


Tratamento
Reduzir a ingesta de lactose é o mais recomendado, pois em alguns estudos a maioria dos pacientes que referiram intolerância puderam ingerir quantidades de até 12g de lactose sem apresentar sintomas. A reposição da lactase é outra opção.  Pessoas intolerantes à lactose também podem ingerir produtos fermentados derivados de leite como iogurtes, queijos e leites hidrolisados, por conta do reduzido teor de lactose proveniente da fermentação por bactérias.