Queda de cabelo por estresse: como estão relacionados os dois problemas

É considerado normal a perda natural entre 50 a 100 fios por dia

A queda de cabelo por estresse é uma associação mais comum do que parece. Alguns transtornos psicológicos, como o estresse, a ansiedade e a depressão, podem gerar sintomas físicos, como a perda dos fios, o que gera ainda um impacto na autoestima de quem sofre com algum problema emocional.

Segundo a dermatologista, Kaliandra Cainelli, é muito possível que o estresse cause queda capilar e essa relação está ligada ao aumento de cortisol no organismo, um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais. “O estresse aumenta os níveis de cortisol, o que interfere na atividade do folículo piloso, impedindo que ele entre na fase de crescimento”.

A especialista explica que é necessário identificar se é de fato o estresse o motivo principal que está levando a queda de cabelo excessiva. A relação entre estresse e queda de cabelo também tem características específicas e que podem ser identificadas por quem sofre com o problema. “No geral, a queda de cabelo por estresse ocorre de forma intensa e rápida, envolvendo o couro cabeludo como um todo”.

Prevenção e tratamento podem ser feitos com hábitos saudáveis

A dermatologista ainda lembra que, muitas vezes, a queda de cabelo por estresse pode ser evitada com uma rotina saudável focada no bem-estar, como lembra a dermatologista: “Devemos tentar adotar medidas que reduzam os níveis de estresse, como praticar exercícios físicos regularmente, meditar, dormir bem, adotar uma alimentação saudável, tomar sol com os devidos cuidados e ainda evitar álcool, cigarro e excesso de tarefas”.

Porém, se o paciente já sofre com o problema, para parar a queda de cabelo por estresse, de acordo com a dermatologista, é necessário verificar se o paciente não apresenta outros problemas de calvície, como a alopecia androgenética e a alopecia areata. Feito isso, é hora de começar o tratamento, que pode envolver o uso de remédios para queda de cabelo. “O tratamento envolve reduzir o estresse, verificar se existe alguma outra condição associada e iniciar o tratamento medicamentoso. Isso envolve o uso de shampoo antiqueda ou, se houver caspa, de um shampoo anticaspa, além da ingestão de polivitamínicos para fornecer os nutrientes necessários ao crescimento capilar e medicamentos tópicos e orais específicos capazes de estimular o crescimento dos cabelos e interromper a queda”.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail