Ucrânia passa a utilizar tecnologia de reconhecimento facial contra a Rússia

O objetivo é identificar agentes russos, civis e soldados mortos em batalha, além de combater desinformação

O Ministério da Defesa da Ucrânia passou a utilizar uma tecnologia de reconhecimento facial durante os combates com a Rússia. A ferramenta é oferecida pela startup norte-americana Clearview AI e tem o objetivo de ‘identificar agentes russos, civis e soldados mortos em batalha, além de combater desinformação’ sobre a guerra.

Segundo a empresa fornecedora, a tecnologia também poderá reunir refugiados que se separaram de suas famílias. A informação foi confirmada pelo consultor da Clearview e ex-diplomata dos Estados Unidos, Lee Wolosky.

Em nota, Lee afirmou que o país está com acesso gratuito à ferramenta, que permitirá que autoridades examinem as pessoas ‘suspeitas’ em postos de controle no território ucraniano. O Ministério da Defesa da Ucrânia ainda não falou sobre a parceria.

Como funciona

O presidente-executivo da Clearview, Hoan Ton-That, afirma que a startup tem mais de dois bilhões de imagens da rede social russa VKontakte à sua disposição. A expectativa é que o país identifique os mortos mais facilmente com o reconhecimento facial do que ao tentar combinar impressões digitais.

Alguns especialistas da área, no entanto, criticam a iniciativa. Segundo Albert Fox Cahn, diretor-executivo do Projeto de Supervisão de Tecnologia de Vigilância em Nova York, a tecnologia pode levar a identificações erradas e, consequentemente, prisão ou morte de civis inocentes. “Veremos a tecnologia bem-intencionada sair pela culatra e prejudicar as pessoas que deveria ajudar”, disse à Reuters.

Por outro lado, Ton-That ressalta que a tecnologia não deve ser a única fonte de identificação do país.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail