A aceitação do modelo de colégios cívico-militares na Cantu

“Creio que a adesão será favorável com o percentual maior que o necessário”, afirma diretora do colégio John Kennedy, de Quedas

Cinco escolas na região Cantu foram contempladas com a oportunidade de se tornarem escolas cívico-militares, são elas: John Kennedy em Quedas, Érico Verissimo em Laranjeiras do Sul, Santo Antonio em Pinhão, João Ferreira Neves em Catanduvas e Michel Reydams em Reserva do Iguaçu.
Está sendo feita uma consulta pública por meio de referendo, cabendo à população dizer sim ou não ao modelo na escola em questão. 
Para ter validade, mais de 50% das pessoas aptas devem participar da consulta. Para migrar ao modelo cívico-militar basta a aceitação de maioria simples dos votantes da escola, ou seja, 50% e mais um voto do total. O resultado de todas as consultas deve sair até amanhã (29).


Vila John Kennedy
Segundo Maria Czechowski diretora da Escola Vila John Kennedy, a adesão dos pais, professores e funcionários está sendo muito boa. 
“O referendo é democrático, toda comunidade escolar tem a opção do sim ou não. Creio que a adesão será favorável com o percentual maior que o necessário. Minha opinião é que esse modelo de colégio cívico-militar vem contribuir com a qualidade do ensino. Teremos o reforço de português e matemática, projeto de educação financeira, além disso teremos mais segurança na escola e no bairro”, explica Maria. 
A diretora ainda esclarece um pouco sobre essa nova modalidade. “Nesse modelo a equipe de professores, direção e equipe pedagógica será formada por civis do quadro próprio da SEED. Com um diretor militar e mais dois monitores para auxiliar nos trabalhos. Esperamos uma grande melhoria na qualidade da Educação e no sucesso dos nossos estudantes para um futuro promissor”, completa.
A professora Mineia Canton, diz que é totalmente favorável e que em termos de aprendizagem todos da escola só tem a ganhar. “Teremos um acréscimo maior no enriquecendo de novas ideias com mais opções de aprendizado como o próprio civismo, a melhora na parte disciplinar e a segurança que tanto tem preocupado nas escolas nos dias de hoje”, acrescenta Mineia.


Érico Veríssimo 
Segundo a diretora da escola Roselene Ana Bortoluzzi, a aceitação dos pais até o dia de ontem (27) era unânime. Os mais de 100 que votaram, foram favoráveis á implantação do modelo.
“Eles veem que seus filhos estarão mais seguros, além de que o ensino será melhor, porque terão maior capacidade de concentração tendo em vista que não terá mais a bagunça e a indisciplina”, relata Roselene.
A maioria dos professores são a favor da implantação do modelo cívico-militar, principalmente porque os critérios utilizados pelo governo se encaixam na realidade da escola. Os critérios são: alto índice de vulnerabilidade social, baixos índices de fluxo e rendimento escolar e não ofertar ensino noturno.
Duas professoras que não quiseram se identificar, relataram que não tem como não ser benéfico esse modelo para professores que realmente se importam com o desempenho dos alunos. “O maior ganho é a disciplina, tendo disciplina dentro de sala de aula, o professor consegue ter um desempenho muito melhor, sem ter que ficar interrompendo a aula para chamar a atenção dos alunos e consequentemente os alunos aprendem mais”, disse uma das professoras.
“Tudo que é novo assusta um pouco, causa algum desconforto, mas tudo é questão de adaptação. Esse novo modelo vem pra somar e melhorar o ensino”, diz outra professora.


O modelo
São muitas as vantagens de uma escola cívico-militar, uma delas é que a escola terá dois monitores que serão PMs e irão cuidar da disciplina, fazendo a busca ativa dos alunos. Terá também um diretor cívico-militar que vai atuar juntamente com o diretor geral da escola. Na pratica são três funcionários a mais para a escola. 
As notas do Ideb dos modelos militares são 20% maiores que as dos tradicionais. Além de mais segurança para a escola, a equipe de educadores tem autonomia. O diretor-geral, o corpo docente e a equipe pedagógica permanecem formados por civis.
Os alunos não precisarão passar por nenhuma seleção, tendo a adesão dos pais, seus filhos automaticamente já estarão num colégio cívico-militar. E o uniforme completo mais o uniforme de gala serão dados gratuitamente para os alunos.