Como identificar se a saúde mental está perturbada?

Segundo a psicóloga Maria Viliane Wachak, é completamente normal não saber o que pode estar perturbando a saúde da cabeça

Hoje em dia as pessoas são acostumadas a ignorar os sinais de estresse, esgotamento e tristeza presentes até estes atingirem o seu ápice. Além de noções pré-concebidas sobre o acompanhamento psicológico, as quais costumam impedir as pessoas de buscarem ajuda profissional, a rotina pode tirar a atenção da saúde-mental. Segundo a psicóloga Maria Viliane Wachak, é completamente normal não saber o que pode estar perturbando a sua saúde mental.
“É através dessas primeiras reflexões que você consegue saber avaliar o estado da sua saúde mental. A vida exterior é um reflexo do que acontece em nosso interior. Se o íntimo está perturbado, é provável que eventos desagradáveis estejam ocorrendo com certa frequência – demissão, estagnação, conflitos familiares, baixa imunidade, briga entre amigos, entre muitos outros. Quando estamos bem conosco, a vida exterior é sadia e equilibrada. Mesmo diante de acontecimentos negativos, seguimos em frente porque eles não nos afetam. No controle de nossas emoções e pensamentos, possuímos a capacidade de encontrar a positividade em qualquer ocasião”, afirma.

Emoções
A psicóloga afirma que a tristeza frequente é um indicativo de que algo não está bem.
“Esta emoção totalmente normal é uma parte de nós e deve ser sentida, porém, apenas quando existirem motivos para isso. O quadro se torna preocupante quando a tristeza surge sem razão aparente e permanece por um período longo. Você experimenta momentos de alegria e satisfação durante o dia, mas a tristeza sempre volta para levantar questionamentos”.
As pessoas começam a saber notar a diferença em seu humor e feições, expressando preocupação através de perguntas referentes à sua saúde. É provável que as suas respostas sejam predominantemente “eu não sei”. Isto é, não há razão para estar triste, mas você não consegue afastar o sentimento.
A ansiedade é outro sentimento que deve ser passageiro. Quando ela se manifesta em vários momentos do seu dia a dia, até mesmo os mais ordinários, pode estar se tornando patológica. Como todos nós estamos sujeitos a desenvolver o transtorno de ansiedade, precisamos estar atentos às ocasiões que catalisam a apreensão.
“Se você se sente ansioso com mais frequência, experimentando tanto sintomas físicos quanto psicológicos, e este sentimento está impedindo-o de executar atividades antes vistas como simples, é provável que precise de um psicólogo. A ansiedade se torna patológica quando atrapalha a vida diária, afetando a sua produtividade no trabalho e a qualidade de seus relacionamentos. A autoimagem também pode ser afetada, pois, quando estamos ansiosos, a tendência é ter pensamentos negativos que alimentam a insegurança”, afirma.

Desanimo
Após curtos momentos de movimentação ou na ausência de atividades físicas, você já sente aquela vontade de dormir. Embora tenha coisas a fazer, mal consegue manter os olhos abertos e procura uma superfície para se escorar.
“O desânimo também rouba a sua motivação. Pensar no futuro ficou mais difícil. Seus objetivos parecem grandes demais ou não fazem mais sentido. Será que vale a pena ser persistente? Este descontentamento generalizado é capaz de nos aprisionar no mesmo lugar por um longo período. Comumente, a inação gera frustração, apesar do desejo de não fazer nada. É uma bagunça de sentimentos complexa”, afirma.

Por onde começar?
O primeiro passo é aceitar ajuda, o acompanhamento psicológico é muitas vezes associado à loucura ou fraqueza. Essas visões equivocadas infelizmente afastam as pessoas da terapia.
“A verdade é que, como você observou nos itens acima, há dezenas de motivos para se consultar com um psicólogo. Este profissional não vai obrigá-lo a compartilhar segredos ou falar quando estiver desconfortável. O ritmo das sessões respeita as suas inseguranças e medos para que eles sejam trabalhados no momento correto”, ressalta.

Objetivos
Se não tiver muito entendimento do que precisa ser modificado em sua vida, avalie seus sentimentos e pensamentos. Caso forem predominantemente negativos, você já sabe o que dizer na primeira sessão.
“Por fim, se você nunca fez terapia, é recomendado marcar um encontro inicial para conhecer o psicólogo, contando um pouco de seus objetivos para saber como ele poderá ajudá-lo. Assim, você poderá identificar se sente desconfortável ou não, e quais fatores contribuem para o seu desconforto”, conclui.
 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail