Jaime Lerner: Ex-governador do Paraná, morre aos 83 anos

Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, morreu nesta quinta-feira (27) aos 83 anos. Arquiteto de formação, ele foi três vezes prefeito

Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, morreu nesta quinta-feira (27) aos 83 anos. Arquiteto de formação, ele foi três vezes prefeito de Curitiba e ficou internacionalmente conhecido pela implementação do sistema integrado de transporte público da capital paranaense, na década de 1970.

Ele estava internado desde o dia 21 de maio no Hospital Universitário Evangélico Mackenzie, em Curitiba, após apresentar um quadro de febre. Segundo hospital, a morte se deu por complicações de doença renal crônica.

Lerner vinha fazendo hemodiálise há algum tempo e, diante disso, foi hospitalizado, de acordo com o ex-chefe de gabinete do político, Gerson Guelmann.

O velório vai ser na capela do Cemitério Israelita do Água Verde, em Curitiba. O sepultamento está previsto para 15 horas desta quinta-feira no Cemitério Israelita do Santa Cândida.

Velório e sepultamento serão restritos, pelas medidas de isolamento.

Jaime Lerner

Formado em arquitetura e urbanismo pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), em 1964, Lerner fez parte da equipe que criou o IPPUC (Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba) no ano seguinte, em 1965.

O arquiteto iniciou a vida pública no início da década de 70, quando filiou-se à ARENA, partido criado para dar sustentação política à ditadura militar brasileira instituída no Golpe Militar de 1964.

Em 1971, foi nomeado prefeito biônico de Curitiba. No primeiro mandato, realizou duas obras que ficariam marcadas na história da capital: o calçamento da Rua XV de Novembro e a abertura das caneletas exclusivas para ônibus expressos (BRT).

Foi nomeado prefeito novamente em 1979. Jaime Lerner assumiria a Prefeitura de Curitiba para um terceiro mandato em 1989, desta vez eleito pelos curitibanos na célebre “Campanha dos 12 dias”. Ele estava filiado ao PDT e era muito próximo do ex-governador do Rio e principal liderança do partido, Leonel Brizola. Foi nesse terceiro mandato que Lerner deixou mais marcas na paisagem curitibana. Criou o Jardim Botânico, a Ópera de Arame e as icônicas estações-tubo do transporte coletivo, que são utilizadas até hoje.

Nos anos 90, Jaime Lerner foi eleito duas vezes governador do Paraná. O arquiteto assumiu o Palácio Iguaçu em 1994, ainda eleito pelo PDT, e foi reconduzido ao cargo em 1998, período marcado pela transição econômica e industrialização do Estado. Em 1997 ele havia trocado o PDT pelo PFL.

Enquanto governador, tentou privatizar a Copel (Companhia Paranaense de Energia), ideia da qual desistiu apenas no ano de mandato, em 2002. No mesmo ano, então no PFL, teve o nome apontado como possível candidato à presidência.

O desgaste político e a figura de elitista afastou Jaime Lerner das disputa eleitorais. Na Assembleia Legislativa, enfrentou cinco CPIs. Primeiro a conceder rodovias à iniciativa privada, foi condenado pelo STJ em 2011 por dispensa ilegal de licitação.

No mesmo ano em que se formou arquiteto, em 1964, Jaime Lerner casou-se com Fani Lerner, mãe de suas filhas Andrea e Ilana. A esposa morreu em 2009, aos 63 anos, vítima de um câncer diagnosticado 14 anos antes.

Como arquiteto, tornou-se consultor da ONU (Organização das Nações Unidas) para assuntos de urbanismo. Também presidiu a UIA (União Internacional de Arquitetos).

Desde 2003, quando se afastou da política, passou a desenvolver projetos arquitetônicos para capitais brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro e Porto Alegre, e também para cidades de países como Angola, México e Panamá.

Em 2018, foi eleito o segundo urbanista contemporâneo mais influente do mundo pela revista norte-americana Planetizen.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail