Matemática financeira: qual o impacto na vida dos alunos

Com a missão de criar uma nova geração que saiba administrar melhor seus recursos, a secretaria colocou a disciplina na matriz curricular do Ensino Médio

O Governo do Estado promoveu ontem (6), uma super aula de Educação Financeira, novo componente curricular da rede pública estadual. Com a missão de criar uma nova geração que saiba administrar melhor seus recursos, a secretaria de Estado da Educação e do Esporte colocou o tema na matriz curricular do ensino médio no início deste ano letivo. Com uma aula semanal para cada série, a disciplina chega a quase 400 mil estudantes de 10 mil turmas.

O governador Ratinho Junior afirmou que a disciplina vai ajudar os jovens a organizar as finanças e contribuir com o planejamento do orçamento familiar. “Somos o primeiro estado do Brasil que coloca a Educação Financeira no currículo escolar, dentro da nossa proposta de modernizar a educação paranaense”.

Dificuldade

O professor do Mauro Provin da Silva, do colégio Vila Industrial, relata que os alunos estão sendo cada vez mais orientados para elaborar a própria planilha orçamentária ou da família, para fazer a análise do saldo entre as despesas e receitas, além de entender sobre compras à vista e a prazo. “Evidenciamos a grande dificuldade dos alunos compreenderem, os assuntos sobre juros simples e compostos, descontos e acréscimos, cartão de crédito, conta-corrente”, relata Mauro.

Para ele, é de suma importância fornecer condições e informações para que os alunos possam contribuir para a economia familiar e sugestões de como organizar seu orçamento e reduzir a inadimplência pessoal e familiar.

Objetivo

Segundo a professora do colégio João Rysics, de Marquinho, Maria Jucelei Accordi, essa disciplina veio para auxiliar a juventude que não tem preparo para lidar com o cartão de crédito e com o dinheiro.  “Percebemos que os jovens têm gastado sem se preocupar de onde vem as receitas e não buscam um equilíbrio que gere um superavit, ou seja, algo que não fique devendo”, diz a professora de Marquinho.

Maria Jucelei explica, que o objetivo é fazer com que os jovens repensem e saibam a diferença entre gastar por necessidade e por desejo. “A gente enquanto professor é muito esperançoso e acreditamos muito nos jovens, queremos que a partir destes conhecimentos eles possam se programar melhor, fazer um planejamento”, acrescenta.

Para a professora Josemeri F. Ferreira do colégio Laranjeiras, através deste estudo o aluno vai aprender a entender e a gerir o seu dinheiro desde cedo. “Os alunos vão inclusive auxiliar os pais no controle e organização de gastos, evitando assim endividamentos”, completa a professora.