Responsivo

Urgente: possível cancelamento das eleições em Laranjeiras movimenta redes sociais 

Segundo informações, a sugestão se deu por vários acontecimentos. Confira na íntegra…

Feliz Dia da Mentira. 

O Dia da Mentira, celebrado em 1º de abril, é um dia dedicado ao humor e às brincadeiras inofensivas. É uma oportunidade para celebrar a leveza e a criatividade através de trocadilhos, pegadinhas e histórias engraçadas.

Embora a origem exata do Dia da Mentira seja incerta, a data é comemorada há séculos em diversas culturas. Acredita-se que a tradição tenha raízes em festivais pagãos que celebravam a chegada da primavera e o fim do inverno.

No Brasil, o primeiro destaque da celebração da data é datado de 1828, quando o periódico mineiro “A Mentira” erroneamente noticiou na sua primeira edição o falecimento de Dom Pedro I, em 1º de abril.

Pegadinhas que fizeram história

Ao longo dos anos, o Dia da Mentira se tornou um dia para compartilhar risadas e fortalecer laços com amigos e familiares. As pegadinhas, desde as mais simples até as mais elaboradas, são uma forma de exercitar a criatividade e o bom humor.

A mídia internacional já registrou diversas pegadinhas memoráveis que marcaram o Dia da Mentira. Confira algumas delas

Nixon de volta depois de Watergate  

Em 1º de abril de 1992, o programa “Talk of the Nation” da National Public Radio (NPR) abalou o cenário político americano ao revelar uma notícia bombástica: Richard Nixon, o ex-presidente manchado pelo escândalo Watergate e forçado a renunciar em 1974, estaria de volta, buscando a presidência novamente.

A revelação incendiou os ouvintes, que inundaram a redação da NPR com ligações furiosas. A equipe do programa, liderada por Neal Conan, reproduziu trechos de áudio da suposta candidatura de Nixon, imitada pelo famoso ator e comediante Rich Little.

A notícia, embora falsa, gerou um debate acalorado sobre o legado de Nixon e a possibilidade de um retorno tão controverso. A indignação dos ouvintes demonstrava a ferida ainda aberta do Watergate, que marcou profundamente a história americana.

As ilhas fictícias de San Serriffe

Em 1977, o jornal britânico The Guardian presenteou seus leitores com uma brincadeira de Dia da Mentira épica: a invenção de um arquipélago fictício no Oceano Índico chamado San Serriffe.

Com sete páginas dedicadas à história, o suplemento especial do The Guardian descreveu com detalhes a geografia, a cultura e até mesmo a política dessa “nova nação”. As ilhas que compunham San Serriffe, Upper Caisse e Lower Caisse, eram, respectivamente, em forma de ponto e vírgula, um trocadilho genial com os termos tipográficos “caixa alta” e “caixa baixa”.

O artigo descreveu a capital da república, Bodoni, em homenagem ao famoso tipo de letra, e até mesmo mencionou o General Pica como o ditador local, numa referência à unidade de medida tipográfica.

A história fictícia de San Serriffe foi tão bem elaborada que muitos leitores acreditaram que se tratava de um país real. A brincadeira do Dia da Mentira do The Guardian se tornou viral, sendo reproduzida por outros jornais e veículos de comunicação ao redor do mundo.

Pelé: o novo técnico da seleção chilena

Nem mesmo o Rei do Futebol, Pelé, escapou das brincadeiras do Dia dos Inocentes (Dia da Mentira no Chile) em 1987. O jornal “Fortin Mapocho” estampou em sua manchete principal a falsa notícia: “Pelé será o técnico da seleção chilena nas eliminatórias da Copa do Mundo de 1990”.

A “pegadinha” foi rapidamente replicada por outro periódico, “El Diário”, que incluiu detalhes ainda mais convincentes sobre um suposto contrato de três anos entre Pelé e a equipe. A história, claro, era pura invenção, com o objetivo de divertir os leitores nesse dia tradicional de brincadeiras.

A “mentira” do Dia dos Inocentes gerou grande repercussão na época, mostrando o impacto e a popularidade de Pelé, tanto no Brasil quanto no Chile. A falsa notícia, apesar de breve, alimentou a imaginação dos fãs de futebol e rendeu boas risadas.