Agronegócio

Mofo-branco diminui produção de soja em até 30%

O mofo-branco, causado por Sclerotinia sclerotiorum, é uma doença muito  destrutiva, ocorre em soja, feijão, canola, girassol, ou seja, tem mais de 400 espécies que são hospedeiras da doença. O Mofo Branco desenvolve-se  quando  tem umidade e temperaturas mais amenas (15-25 °C). .

Na última safra de soja no Paraná, os produtores tiveram muitos problemas com a doença, trazendo muitos prejuízos na produtividade.

Para auxiliar os produtores da região, a Cooperativa Coprossel chamou dois representantes da Simbiose, Amanda Kuiawski e Alexandro Vieira.

"Estamos fazendo palestras e visitando produtores que enfrentaram problemas com essa doença, apresentando a eles as principais técnicas de manejo, desde a limpeza de maquinário, rotação de culturas, controle químico e principalmente o controle biológico a base do fungo Trichoderma. O controle biológico vem se destacando muito nos últimos anos, ele está sendo muito eficiente no controle do escleródio. O Trichoderma é um fungo benéfico que controla fungos maléficos o mesmo quando no solo por sinais ele chega até o alvo parasitando-o e causando sua morte. Dessa forma além das visitas nas áreas fizemos palestras para aos produtores, mostrando resultados e posicionamento do produto onde o nome comercial é Stimu Control, a base de trichoderma, é aplicado via pulverização onde o objetivo é atingir o solo e consequentemente o escleródio.

 

PERCAS

Amanda esteve em Rio Bonito do Iguaçu, Laranjeiras do Sul e também em Virmond.

Segundo ela, teve produtor que diminuiu a produção em 30% , por ter a safra atingida pelo mofo branco. Outros relataram que ao entregar o soja tiveram desconto por impureza.

Ao analisar, essa impureza era por conta do mofo branco. "Na hora de colher,  pode ficar no maquinário, que consequentemente pode levar para outra área. Por isso além do produtor fazer o controle biológico ele também deve seguir a prática de limpar os maquinários. explica Amanda.

 

RECOMENDAÇÃO

A empresa recomenda a aplicação de Stimu Control tanto no verão quanto no inverno mesmo as culturas de inverno não sendo hospedeiras da doença. A aplicação é  um litro por hectare no verão e 1 litro por hectare no inverno.

Tanto no plantio da cultura de verão como da cultura de inverno teve o revolvimento do solo na linha de plantio, onde não terá palhada e o escleródio ficará mais aparente nesse local, então após o plantio é a hora de entrar aplicando o Stimu Control. A mesma ação deve ser tomada quando plantada a cultura de inverno.

A doença, segundo Amanda, não atinge a cultura de inverno, mas o escleródio pode ficar no solo por 10 anos. "Se o produtor não controlar terá percas novamente na próxima safra", alerta.

Por isso que o Stimu Control deve ser aplicado tanto no verão quanto no inverno.

Mofo-branco diminui produção de soja em até 30%

Empresa

A Simbiose é a maior produtora de insumos microbiológicos do Brasil. Ela tira da terra a matéria prima para o desenvolvimento da planta e combate as pragas. Para a simbiose, a solução esta na mesma natureza que você quer ver cresce. A empresa com sede em Rio Grande do Sul abriu recentemente uma filial no Paraná. O seu portifólio é bem amplo onde vai desde a linha de inoculantes, linha controle e fertilizantes.