Bruno Motta: renovação e alternância do poder faz bem

Candidato pelo podemos aos 28 anos, ele declara-se um revoltado com a política e diz encontrar na formação como administrar o caminho para o desenvolvimento do município

Bruno Motta, do Podemos, é o segundo candidato a prefeito de Quedas do Iguaçu entrevistado na série do Correio do Povo do Paraná. Aos 28 anos, ele é o mais novo dos postulantes ao cargo. Nascido na cidade, filho de empresários de carreira na cidade, declara-se um “filho, apaixonado por esta terra”. Formado em administração, ele foi eleito vereador em 2016. 


Jornal Correio do Povo do Paraná (JCPP)
Como foi a concessão da tua chapa? Bruno Motta: Na naturalidade. Até o fim de 2019, não tinha esse plano. Fui então procurado por amigos, lideranças, pela comunidade em geral, por um desejo de mudança, e resolvemos criar um projeto técnico, ouvindo a comunidade, para o desenvolvimento do município. Quero ser prefeito pois sou eleitor revoltado com a política, que não se sente representado pelos prefeitos que passaram. Meus pais sempre deram sua contribuição para a política, mas de forma genérica. Como vereador, me sinto na obrigação em ser candidato, por ver a maneira como é desperdiçado o dinheiro da população. E por acreditar que a política é o meio mais efetivo para transformar o meio-ambiente em que vivemos. Vejo que Quedas padece há muitos anos. Acreditamos na mudança.
 


JCPP: A segurança é uma das questões mais pertinentes na cidade. O que você tem para propor nessa área? Bruno Motta
 Temos casos de assaltos e roubos dentro de espaços públicos semanalmente. Precisamos ter o acompanhamento por monitoramento, de uma articulação mais forte junto ao estado, melhorando a estrutura física e humana da Polícia Civil e Militar. Seremos firmes nesta área e buscaremos parcerias para suprir esta necessidade.


 JCPP: No que pretende inovar na educação? Bruno Motta
Melhorar os índices no Ideb, atingindo o número 7 até o fim dos quatro anos de governo. O primeiro passo para isso será reestruturar os ambientes escolares. Dar condições e reconhecimento aos professores – coisas que não tiveram nos últimos anos -, inclusive com uma falta de respeito grande. E fazer parcerias dentro das escolas para criar incentivo aos nossos alunos, como teve Laranjeiras do Sul. Vamos, pelo menos para as crianças mais carentes, fornecer uniformes e materiais escolares. O programa de Turismo na Escola, que é um projeto para que a escola se torne atrativa para as crianças. Uma das regras da administração diz que precisamos eleger as prioridades e a educação é uma delas. 


JCPP: Qual a proposta para o funcionalismo público? Bruno Motta
 Valorização e cumprimento do que está em lei. Acima de tudo, respeito. Precisamos agregar as ideias de trabalho com uma sintonia muito grande. O prefeito é o chefe maior do município, mas quem está dia a dia com a população são os enfermeiros, os professores, os garis.


JCPP: Qual a tua proposta para a saúde? Bruno Motta
O pessoal sai daqui para fazer consultas. Precisamos contratar especialistas. Vamos fazer mutirões para baixar a fila de espera para exames, consultas e cirurgias – que hoje é muito grande -, fortalecer a farmácia-base de Quedas. Faremos o atendimento descentralizado, nas escolas, nas UBS. O preventivo inibe muita coisa. Isso gerará muita economia ao município. Posterior a isso, temos a necessidade de uma casa de apoio em Quedas e outra em Cascavel – o nosso centro regional da Saúde. Melhoramos o transporte para nossos pacientes. 


JCPP: Quedas sofre da falta de geração de empregos. Em relação a isso, o que você pretende priorizar e quais as medidas pretende implantar? Bruno Motta
Nós aqui sonhamos com uma grande empresa, que virá gerar 900 empregos, mas nos esquecemos de valorizar os pequenos comércios, que geram três, quatro empregos cada. É mais saudável o município fazer uma criação de 100 novas empresas pequenas, por ter uma diversificação de empresários e ramos, do que ter uma única, onde ficaríamos numa dependência. A área rural gera muitos postos de serviços e precisamos dar condições para as estradas do interior para alavancar esse setor. Aí sim, teremos uma cidade atrativa financeiramente e uma grande empresa virá para Quedas. Outra dificuldade muito grande aqui é o emprego ao jovem. Hoje ele pega a carteira de trabalho e lhe falta experiência. Para isso, iremos implantar a fábrica escola, dando capacitação técnica, temos o Instituto Federal e iremos alimentá-lo para que capacite os nossos jovens. Temos formas de melhorar esses índices que hoje são entristecedores.
 


JCPP: Por quê o eleitor deve votar em Bruno Motta? Bruno Motta
Temos seis candidatos. Dois já tiveram mandatos. Eu pertenço à renovação. São Jorge, Laranjeiras e Catanduvas cresceram com a alternância do poder. Se você pegar um banco, ele transfere gerentes para ter a oxigenação, a alternância de poder. Me sinto preparado e acredito que nosso plano de governo é o melhor. Peço que o eleitor avalie a história de cada candidato, como é no dia-a-dia. Neste momento, todas as propostas são bonitas, mas analisem quem tem condições de colocar isso em prática.