Conheça duas entidades da região que lutam contra os para maus-tratos aos animais

Neste mês, campanha “Abril Laranja” reforça questões como abandono, falta de alimentação e de abrigo, espancamento e envenenamento

Muitas pessoas não sabem, mas no Brasil, de acordo com a lei, maltratar animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos é crime e a pena pode variar de três meses a um ano de prisão, além de ser passível de multa. E em caso de morte do animal, a pena pode ser alterada.

Diversos animais ainda sofrem com a crueldade dos seres humanos, vivendo em condições degradantes, sofrendo tortura e abuso. Para conscientizar a população sobre o assunto, foi criada a campanha mundial de prevenção contra a crueldade animal “Abril Laranja”.

Deixar os animais presos com correntes, negar água e comida, capturar animais silvestres, obrigar animais a puxarem pesos superiores à sua força, negar assistência veterinária a feridos ou doentes, não abriga-los da chuva ou sol, utiliza-los em shows que lhes causem estresse e promover rodeios e rinhas também são consideradas formas de maus-tratos.

APAF

A Associação de Proteção Animal de Foz do Jordão (APAF), que tem como presidente Karen Claro Cerreira, se depara com situações diferentes todos os dias. “Há uns 20 anos fazemos trabalho voluntário. Resgatamos, castramos, tratamos e tentamos encontrar lares pra eles: cães e gatos. Mas somente há 8 meses somos uma Associação”, diz a vice-presidente Márcia Brasil.

Ela conta que um caso marcante foi o de um cachorro que apareceu queimado com ácido  e com bernes na cabeça. “Ele veio pedir socorro e entrou numa das casinhas que eu tenho em frente à minha casa. Cuidei dele, curei os bernes que caiam fora e cheiravam muito mal. Ele se levantou da casinha e veio me seguindo, foi emocionante, pois não me conhecia e mal podia andar de tão debilitado. Demoramos três meses para o tratar, então eu o adotei”.

A Associação está trabalhando com pedágios, rifas, latinhas, cofres em comércios, venda de pastel e doações para manter os cuidados de tantos animais que precisam de ajuda.

ONG Quatro Patas

A Organização Não Governamental (ONG) Quatro Patas, de Laranjeiras do Sul, trabalha diária e voluntariamente em prol de ajudar animais vítimas de abandono e maus-tratos. Segundo as voluntárias, a cada dia aparece um novo caso. Elas estão buscando parceria para poder manter os animais resgatados e os que se encontram em lares temporários. “O trabalho é difícil, o sofrimento é grande, ver animais doentes, envenenados, machucados. Nosso trabalho é aliviar a vida desses animais. Muitas vezes deixamos de lado nossas necessidades para cuidar de seres indefesos que clamam por ajuda”, diz uma das voluntárias, que pede para não ser identificada.

Para ela, as pessoas precisam ter mais consciência. “É um trabalho que fazemos e reflete para todos os moradores da cidade, a ajuda sempre é bem vinda e necessário, quando o animal é resgatado e está em condições precárias com alguma doença, tem que ser tratado, feito a castração e os valores são altos”.

Esta semana, a ONG fez o resgate da Neguinha, uma cachorra de rua que está debilitada, em um lar temporário até se recuperar e seus 10 filhotes serem adotados. Quem tiver interesse em adotar pode estar entrando em contato nas redes sociais da ONG. Toda ajuda é bem vinda.