Ganho de peso na pandemia atinge 52% dos brasileiros; nutricionista diz como evitar

“Ser fisicamente ativo é fundamental para a saúde e o bem-estar, principalmente quando relacionados com uma alimentação saudável e equilibrada”, explica Gabriele Protcz

Autoridades em saúde do mundo inteiro temem atualmente o aumento da obesidade e outras doenças no período pós-pandemia. Problema esse que pode ser causado por diversos fatores como sedentarismo, estresse, ansiedade providos diretamente do isolamento social.

“Isso porque a instabilidade emocional pode gerar momentos de compulsão alimentar com o aumento do consumo de produtos ricos em açúcares, gorduras e/ou bebidas alcoólicas. Fatores que, associados ao sedentarismo favorecem o ganho de peso”, explica a nutricionista, Gabriele Protcz.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos em 30 países revelou que os brasileiros estão em primeiro lugar entre as pessoas que acreditam ter engordado durante a pandemia do novo coronavírus. De acordo com o estudo, 52% dos brasileiros entrevistados declararam ter ganhado peso desde o início da Covid-19.

Alimentação e exercício físico é fundamental

A OMS lançou um guia com diretrizes sobre atividade física e comportamento sedentário. Pessoas de todas as idades e habilidades podem ser fisicamente ativas, informa o documento.

A organização destaca que a prática de exercícios é fundamental para prevenir e ajudar a controlar doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer. Outros benefícios mencionados são a redução dos sintomas de depressão, de ansiedade e do declínio cognitivo, o aprimoramento da memória e o estímulo à saúde do cérebro.

“Ser fisicamente ativo é fundamental para a saúde e o bem-estar”, afirmou a nutricionista, que completou: “principalmente quando relacionados com uma alimentação saudável e equilibrada. Especialmente agora, durante a pandemia, devemos ter criatividade todos os dias para nos mover e comer com segurança”.

Guia de exercícios

Crianças e adolescentes (5 a 17 anos): fazer pelo menos 60 minutos por dia de atividade física com intensidade de moderada a vigorosa, principalmente aeróbica. É necessário limitar o tempo gasto sendo sedentários, especialmente o período recreativo usando telas.

Adultos (18 a 64 anos): fazer ao longo da semana pelo menos de 150 a 300 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada; ou de 75 a 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade vigorosa.

Idosos (65 anos ou mais): devem seguir a mesma recomendação de minutos de atividade física aeróbica que os adultos, assim como fazer exercícios de fortalecimento muscular em 2 ou mais dias.

Mulheres grávidas e puérperas: fazer pelo menos 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada durante a semana. É recomendado incorporar uma variedade de atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular. Adicionar um alongamento suave também pode ser benéfico.

Guia de alimentação

Frutas e vegetais: ricos em vitaminas, minerais e fibras, devem estar presentes todos os dias nas refeições, pois contribuem para uma boa saúde e protegem contra o aparecimento de várias doenças.

Programe e cozinhe suas refeições: separe um tempo da quarentena para preparar sua própria comida. Para não atrasar a rotina, defina horários para cozinhar e para comer. Se necessário, deixe alguns ingredientes preparados antes. Esse planejamento economiza tempo e diminui a tentação de pedir sua refeição em aplicativos.

Limite alimentos ultra processados: faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base da sua alimentação. Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades. Estabeleça um limite quanto ao uso de alimentos processados.

Respeite suas vontades, mas imponha limites: Por isso, o foco da sua dieta não deve colocar mais ansiedade no seu dia a dia. Ao invés de fiscalizar seu peso, por exemplo, foque na saúde física e mental que os nutrientes trazem.