Black Friday: ainda dá tempo de participar?

A Consultora do Sebrae Angélica Fonseca Weirich dá algumas dicas de como as empresas podem se preparar para a data

Tradicional nos Estados Unidos há décadas, a Black Friday é um fenômeno que se espalhou pelo mundo. No Brasil ela começou a ficar famosa em meados de 2010, especialmente no comércio online.
Pouco tempo após sua chegada, a Black Friday se espalhou pela economia nacional, sendo ofertada por varejistas e atacadistas de todos os setores.
Especialistas dizem que vale apena participar da Black Friday. Contudo, essa é uma decisão que precisa ser tomada pelo empresário e não por terceiros, que pouco conhecem seu negócio. O mercado é vasto e cada empresa precisa agir conforme seu posicionamento estratégico, caso haja desvios, surgirão riscos não planejados.


Dá tempo?
Segundo a consultora do Sebrae Angélica Fonseca Weirich, como oficialmente a Black Friday é na sexta-feira (27) ainda dá tempo do empresário se organizar, colocar algumas mercadorias em promoção. 
“Algumas empresas já optaram em fazer a semana toda de ofertas, muitas já começaram na segunda-feira mesmo. Mas como o dia oficial e toda a mobilização no Brasil será na última sexta-feira de novembro, dá tempo”, diz Angélica.
Segundo a consultora é importante, porém, o empresário pensar numa boa divulgação, numa ornamentação da sua loja e na escolha dos produtos que tenham um preço significativo.
“O consumidor está atento e sabe o preço real das coisas. Mas o empresário também tem que pensar que por mais que sejam promoções e ofertas, ele não pode ficar no prejuízo com relação a isso. Então é importante a correta análise do valor de venda que seja interessante para o consumidor, mas que seja benéfico para o empresário”.


Redes sociais
Angélica lembra a importância de utilizar as redes sociais principalmente nesse momento de pandemia que as pessoas estão evitando sair de casa e que  o uso de redes sociais se popularizou, sem contar muitas pessoas se acostumaram à comodidade de comprar sem sair de casa. 
“Usar meios como Whatszapp, Messenger e o próprio telefone para poder se comunicar com o cliente e fazer o envio da mercadoria, ter um serviço de delivery, tudo isso auxilia também a estimular as vendas”, completa Angélica.