Futuro do agronegócio está na preservação do meio ambiente, diz governador

Ele afirmou que a agricultura paranaense, principal pilar econômico do Estado, consegue unir produtividade, inovação, eficiência e desenvolvimento sustentável

Foi reforçando a união do agronegócio paranaense com a preservação do meio ambiente e com a inovação que o governador Carlos Massa Ratinho Junior abriu, nesta segunda-feira (12), o Digital Agro 2021. “Cada vez mais nosso agronegócio tem saído da enxada para entrar nos tablets, smartphones e aplicativos que ajudam na agricultura de precisão”.

O congresso, promovido pela Cooperativa Agroindustrial Frísia até 15 de julho, é considerado uma das principais feiras de tecnologia e inovação para o agronegócio do Brasil. Ele afirmou que a agricultura paranaense, principal pilar econômico do Estado, consegue unir produtividade, digitalização, inovação, eficiência e desenvolvimento sustentável, se destacando como um exemplo mundial.

“A digitalização vem para trazer cada vez mais precisão a essa agricultura moderna. Uma feira como essa é importante para fazer com que o Brasil continue sendo pioneiro e dispute mercados em grau de igualdade com países que há dez anos protagonizavam a produção de alimentos no mundo. E com muito orgulho falo do Paraná hoje é referência global em quantidade e variedade”, disse Ratinho Junior.

A programação do evento, que inclui palestras e debates com especialistas, é dividida em cinco pilares temáticos: tecnologias para produção sustentável, futuro dos alimentos, o futuro da gestão no campo, inovação no agronegócio e pecuária 4.0. Esta é a primeira vez que a feira é realizada de forma inteiramente digital.

Além do governador Ratinho Junior, outras autoridades participaram da abertura do evento, apresentado pela jornalista especializada em economia e agronegócio Kellen Severo.

“É um evento que nos faz pensar como podemos criar uma agropecuária cada vez mais sustentável. Precisamos, através das nossas ações de hoje, entregarmos uma agropecuária melhor para gerações futuras. E isso acontece com tecnologia, conhecimento e transformação digital, fazendo a agricultura brasileira ser competitiva respeitando o meio ambiente”, afirmou o diretor-presidente da Frísia, Renato Greidanus.

Inovação

O secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, comentou que os ganhos de produção e rentabilidade vistos no Paraná nas últimas décadas são consequência do aumento da produtividade, ao invés da incorporação de novas áreas, provando que é possível especializar cada vez mais as fazendas.

“Isso nos leva a um aumento da sustentabilidade, a palavra-chave do momento”, explicou. “Inovação, sustentabilidade e competitividade andam juntas. É notório que o desempenho do agronegócio tem por âncora a incorporação desses fatores, com ganho expressivo de tecnologia. Estamos conseguindo produzir mais, com menos área, reduzindo custos, fazendo mais e melhor com menos recursos”.