Governador recebe comandante-geral do Exército e apresenta estrutura do Paraná para Escola de Sargentos

No encontro, Ratinho Junior reforçou o interesse do Estado em abrigar a instituição de ensino militar

O governador Carlos Massa Ratinho Junior recebeu nesta sexta-feira (9), no Palácio Iguaçu, o comandante-geral do Exército Brasileiro, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, e uma comitiva do alto comando da instituição militar. Esta é a primeira visita oficial do comandante ao Estado e, além de Curitiba, ele também irá a Ponta Grossa para visitar a área onde poderá ser instalada a Nova Escola de Sargentos do Exército, um terreno de 45 quilômetros quadrados que hoje abriga a fazenda-modelo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

No encontro, Ratinho Junior reforçou o interesse do Estado em abrigar a instituição de ensino militar, que deve reunir as estruturas de duas unidades do Exército: a Escola de Sargentos das Armas (ESA), localizada atualmente em Três Corações (MG), e a Escola de Sargentos de Logística, do Rio de Janeiro. Com a nova escola, o Estado deve receber um contingente de cerca de 8 mil pessoas, incluindo 2,5 mil alunos, instrutores, corpo administrativo e os familiares dos militares, o que representará um novo marco de desenvolvimento para o município dos Campos Gerais.

“O governo do Estado, a prefeitura e a sociedade de Ponta Grossa abraçaram essa iniciativa desde o início. Entendemos que temos o local ideal, além de capacidade de melhorar a estrutura de atendimento para os nossos sargentos”, destacou. “As novas instalações, que podem se tornar a maior Escola Militar das Américas, além da mais moderna, devem inaugurar uma nova era nos Campos Gerais e no Paraná como um todo. É um novo capítulo na nossa história”.

Em junho, Ratinho Junior esteve em Brasília para definir com a Embrapa a possibilidade de cessão do terreno ao Exército. Uma comitiva da corporação já tinha vindo a Ponta Grossa para conhecer a área que pode abrigar as futuras dependências – a única entre as três cidades (Ponta Grossa, Recife e Santa Maria) em que o terreno não pertence ao Exército. Em contrapartida à cessão do imóvel, a Embrapa ocuparia uma área do Exército localizada no município vizinho de Palmeira.

Além desse local, o governo do Estado e a prefeitura podem também ceder outras áreas para a corporação, incluindo uma fazenda em Campo Largo onde a instituição pode implantar um campo de instruções que serviria à estrutura da Escola de Sargentos.

“Acreditamos muito nesse projeto e não medimos esforços para fazer com que ele aconteça. Os 45 quilômetros quadrados disponibilizados apenas em Ponta Grossa, além de outros imóveis, representam um incremento impressionante ao patrimônio do Exército”, disse. “A estrutura da Escola de Sargentos vem para transformar ainda mais o Paraná. Será uma nova cidade dentro de outra cidade”.

Seleção

O general Paulo Sérgio também esteve nesta semana em Porto Alegre e Santa Maria/RS. A cidade gaúcha é uma das que disputam com Ponta Grossa a implantação da Escola de Sargentos, além de Recife/PE. Nos estudos iniciais, o Exército considerava áreas em 16 localidades, até selecionar essas três. A decisão final virá em agosto, após submissão ao Órgão Colegiado Superior da corporação.

“As três cidades foram selecionadas pelas características e as condicionantes que precisamos. Estamos vindos de Santa Maria e agora, em Ponta Grossa, vamos conhecer o projeto pessoalmente, e depois também a Recife”, explicou o comandante. “É uma decisão muito técnica, porque a Escola será para sempre, uma verdade cidade onde será instalada, o que mostra a grandeza desse projeto. O Paraná se engajou nessa disputa. Ficamos honrados”.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail