IDR-Paraná e Simepar alertam para risco de geadas em todo o estado do Paraná

As temperaturas muito baixas podem causar diversos prejuízos nas plantações, mas alguns cuidados podem ajudar

O IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater) e o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná) alertam que há previsão da chegada de uma forte massa de ar polar no Paraná e que deve provocar frio intenso em todo o Estado, no período de 27 de julho a 01 de agosto. Estão previstas geadas na madrugada de quarta (28), quinta (29) e sexta-feira (30).

As temperaturas baixas, previstas, poderão causar impactos negativos em culturas como hortaliças, tomate, milho, café, pastagem, frutíferas tropicais, entre outras. Porém alguns cuidados podem ser tomados pelos agricultores para que o prejuízo seja o menor possível.

Café

A recomendação para os plantios novos de café, com até seis meses de campo, é enterrar as mudas. Viveiros devem ser protegidos com várias camadas de cobertura plástica ou aquecimento, com a opção de adotar as duas práticas simultaneamente. Nos dois casos — lavouras novas e viveiros — a proteção deve ser retirada logo que a massa de ar frio se afastar e cessar o risco imediato de geada.

Nas lavouras com idade entre seis meses e dois anos, a recomendação aos produtores é amontoar terra no tronco das plantas até o primeiro par de folhas. Essa proteção deve ser mantida até meados setembro, e depois retirada com as mãos.

Milho

Já na cultura de Milho, de acordo com o Coordenador de Grãos do IDR-Paraná, Edivan Possamai, não há muito o que se fazer para proteger e o prejuízo pode ser grande visto que é uma cultura de verão. A dica é que o agricultor mantenha sempre sua lavoura assegurada e que verifique o zoneamento de risco climático, para que o plantio seja realizado na época certa e, assim, não corra o risco de perder o seguro.

Gado

Para a pecuária de corte um dos principais problemas está na falta de pasto para alimentar os animais. A coordenadora de Pecuária de Corte do IDR-Paraná, Kátia Gobbi, informa que na região Norte e Noroeste, por exemplo, os pastos já acabaram por causa das secas e, também, das geadas. A opção para evitar estes problemas seria a suplementação com volumosos conservados (silagem, feno) e concentrada (milho, farelo de soja, etc). Mas aí o produtor precisa se organizar com antecedência e é fundamental calcular a viabilidade econômica do sistema produtivo, já que são ações com maior custo em relação ao pasto. Nas regiões mais frias do estado tem a opção, também, das gramíneas de inverno que são mais tolerantes ao frio. 

Frutas

Para o Coordenador de Fruticultura do IDR-Paraná, Eduardo Augustinho, nas plantações de frutas os cuidados podem ser evitar o uso de Dormex, fazer o uso de fumaça para aquecimento, irrigação e manter as áreas limpas.

Olericultura

Umas das culturas mais sensíveis as geadas as folhagens precisam de muita proteção nestes dias mais frios. De acordo com Paulo Hidalgo, coordenador estadual de Olericultura do IDR-Paraná algumas ações podem ajudar: Cultivo Protegido, que consiste em fechar o entorno das estufas; suspender a irrigação alguns dias antes, para evitar a formação de gelos nas folhas; aquecer as estufas usando o carvão e monitorar este aquecimento durante toda a noite e madrugada.

Em campo aberto a proteção é um pouco mais complicada, mas alguns cuidados podem ajudar. Como cobrir os canteiros de folhagem com TNT e fazer o aquecimento com fumaça. Outra prática que pode contribuir para proteção de olericultura em campo aberto é a pulverização folear com sal, sistema que, se aplicado, com antecedência pode diminuir o ponto de congelamento das folhas.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail