Pesquisadores recomendam plantio direto de mandioca em sistemas integrados de produção

A equipe da Estação de Pesquisa do IDR-Paraná de Paranavaí finalizou a análise de dados de experimento em sistema integrado

A equipe da Estação de Pesquisa do IDR-Paraná de Paranavaí finalizou a análise de dados de experimento em sistema integrado de produção agropecuária, com mandioca e bovinocultura de corte, após sete anos de avaliações. Os pesquisadores afirmam que o plantio direto de mandioca é uma opção interessante para a região do Arenito Caiuá, desde que certos pressupostos sejam seguidos para assegurar os bons resultados com essa tecnologia.

O estudo dos pesquisadores destaca que o maior período de pasto (quatro anos) na rotação com mandioca em plantio direto contribuiu de forma significativa para o incremento dos teores de carbono no solo no período de sete anos de avaliações. Os estoques de carbono também aumentaram ao longo do tempo, mantendo valores considerados altos para os solos arenosos da região do Arenito Caiuá.

Por outro lado, o período de dois anos de pasto precedendo o plantio convencional da mandioca não foi adequado para a manutenção dos teores de carbono no solo, observando-se a sua redução ao longo do período avaliado.

De acordo com os pesquisadores nos sistemas integrados com mandioca e capim Marandu, o tempo que o pasto permaneceu no sistema foi de 2 ou 4 anos, antes da implantação da lavoura de mandioca. Esses tratamentos foram comparados com o pasto perene de Marandu. Tanto o pasto perene quanto o pasto nos sistemas integrados foram bem manejados, com correção do solo e fertilização para a produtividade desejada.

Plantio direto

A produtividade de mandioca variou em função das safras avaliadas, com menor produção observada no sistema plantio direto após dois anos de pasto (Safra 2016/2017), quando comparado ao plantio convencional, provavelmente em função de fatores climáticos como o excesso de chuva e menores temperaturas.

Já na safra 2018/2019, quando a mandioca foi cultivada após quatro anos de pasto, não se observou diferença na produtividade de mandioca entre o plantio convencional e direto (61 toneladas por hectare de raízes tuberosas). Os pesquisadores ressaltam a importância do pasto bem manejado, com correções e fertilizações adequadas nos sistemas integrados de produção, garantindo bom desempenho animal e produtividade da cultura, com melhorias nas características do solo da região.