Especialistas destacam a importância de cumprir o vazio sanitário da soja

A partir do próximo domingo (22), inicia no Paraná de forma escalonada. Para o agrônomo da Coasul, Fábio Marcolin, e o fiscal agropecuário da Adapar, Josieno Mendes, o principal benefício é reduzir o custo do produtor

A partir do próximo sábado (22) tem início o vazio sanitário da soja no Paraná, marcando o período em que é proibido cultivar, manter ou permitir a existência de plantas vivas da oleaginosa nos campos. Esta medida, estabelecida pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), visa prevenir a disseminação da ferrugem asiática, principal doença da cultura da soja, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi.
Nesta safra, o Paraná adotou uma abordagem diferenciada, dividindo o estado em três sub-regiões com datas distintas para início do vazio sanitário e para a semeadura da soja.
Para uma melhor compreensão do assunto o agrônomo da Coasul, Fabio Marcolin, e o fiscal agropecuário da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Josieno Mendes, explicam os benefícios e os motivos da divisão do estado para iniciar o período de vazio sanitário.

Benefícios
Para o agrônomo Fabio, o principal beneficio é em relação ao custo: “Com a eliminação das plantas vivas de soja durante este período, evitamos a criação de uma ‘ponte verde’ que poderia favorecer a sobrevivência da ferrugem asiática entre as safras. Isso reduz significativamente os custos com fungicidas e também traz benefícios ambientais, ao minimizar o uso de produtos químicos na agricultura.”
O fiscal agropecuário da Adapar, Josieno, reforça a importância do vazio sanitário para o controle da doença: “O fungo Phakopsora pachyrhizi é biotrófico, depende da planta viva para se completar. Ao eliminar as plantas durante o vazio sanitário, reduzimos a sobrevivência deste fungo no ambiente, retardando o aparecimento da doença na próxima safra. Isso não só economiza recursos com defensivos agrícolas, mas também é benéfico para o meio ambiente”.

Clima local
A divisão do estado em três regiões para o vazio sanitário está diretamente relacionada ao clima local, como explica Josieno: “Regiões como Cascavel começaram o vazio mais cedo devido ao clima favorável, permitindo que os agricultores plantem a soja em um período mais adequado e ainda possam utilizar a área para culturas subsequentes, como milho ou feijão.”
A informação é reforçada pelo agrônomo. “O calendário é adaptado a cada realidade. O início do vazio está relacionado ao início e término do plantio”, afirma Fabio.
A fiscalização durante o vazio sanitário será rigorosa, com a Adapar responsável por garantir o cumprimento das medidas estabelecidas, aplicando penalidades aos produtores que não realizarem a erradicação das plantas vivas de soja. Essa ação visa manter a sanidade das lavouras e a sustentabilidade da produção agrícola no Paraná.

Cronograma regionalizado

  • Confira as datas e os municípios pertencentes a cada região da Cantuquiriguaçu:
  • Região 1 21/06: Candói, Cantagalo, Foz do Jordão, Goioxim, Pinhão e Reserva do Iguaçu
  • Região 2 02/06: C: Campo Bonito, Catanduvas, Diamante do Sul, Ibema, Guaraniaçu e Três Barras do Paraná.
  • Região 3 22/06: Espigão Alto do Iguaçu, Laranjeiras do Sul, Marquinho, Nova Laranjeiras, Porto Barreiro, Quedas do Iguaçu, Rio Bonito do Iguaçu e Virmond.