Ex-árbitro de futebol será técnico de clube na Série Bronze do Paranaense de Futsal

Pietro Bettin, de 27 anos, atuou como bandeirinha por anos no quadro da Federação Paranaense. Sem perspectiva, ele deixou a área e agora comanda o Itambé

Por Juliam Nazaré

Após nove anos como árbitro de futebol, Pietro Bettin faz a primeira incursão como técnico de futsal. Aos 27 anos, ele se prepara para a estreia no comando do Itambé Futsal. A equipe do Norte-Central joga no dia 15 de maio, em casa, contra o São João do Ivaí, pela abertura 1ª rodada da Série Bronze do Campeonato Paranaense.

Das categorias de base ao apito

Pietro (à direita) no jogo entre Portuguesa Londrinense e Cianorte. Foto: Reprodução

Natural de Maringá, Pietro foi goleiro das categorias de base do extinto Ciagym. Formado em Educação Física, ele já trabalhou como treinador de escolinhas em cidades da região.

A trajetória no apito teve início também no futsal, mas foi curta. Após dois anos, ele deixou a modalidade e ingressou na Federação Paranaense de Futebol (FPF) como árbitro auxiliar (bandeirinha). Ao longo de nove anos, Pietro conseguiu integrar o quadro de profissionais da 1ª Divisão do estadual e foi indicado à Confederação Brasileira de Futebol (CBF). “Fui aprovado nos testes teóricos e físicos. Fiquei como suplente, mas naquele ano a Confederação não abriu novas vagas, então não ingressei no quadro nacional”, explica. 

Pietro deixou a arbitragem, oficialmente, no início de 2021, e não se arrepende da decisão. “Não é um trabalho fixo. A gente faz, no máximo, uns seis jogos no campeonato. Até quando eu estava, eram cerca de 320 profissionais. Muito árbitro pra poucas partidas. Enquanto a arbitragem não se tornar profissional é complicado dar exclusividade a ela”, argumenta.

Pietro Bettin também pratica atletismo. Foto: Reprodução

Na carreira como bandeirinha, elegeu como jogos mais importantes em que trabalhou o Clássico da Soja, entre FC Cascavel e Toledo de 2018, e a vitória por 8×2 do Athletico sobre o Toledo, na Arena da Baixada, em 2019.  “Não tenho medo de me arrepender de deixar a área. A decisão não foi tomada de uma hora para outra. Passei por algumas dificuldades, que na arbitragem não existe um critério de seleção para subir e não há nenhuma garantia. Me desliguei da Federação e provavelmente eu não volte, apesar de haver essa opção”. 

A Série Bronze 

O Itambé participa da terceirona pela segunda vez na história. Em 2020, o clube chegou à 2ª fase. Na classificação geral, terminou em 9º, entre 18 integrantes. Para esta temporada, Pietro deixa o favoritismo para os concorrentes e diz que o Itambé busca se “afirmar” no cenário profissional. 

“Vejo um cenário distinto daquele de 2020. No ano passado, o investimento das equipes era pequeno. Não havia projetos grandes. E, pelo que vejo, é diferente nessa temporada. Coloco como favoritos Cianorte, AFCA Umuarama e Jardim Alegre possuem jogadores experientes e a  Série Bronze é cascuda, necessita de atletas desse porte. Foz e Quedas vêm regiões fortes na modalidade. Acredito que, no papel, são essas equipes que despontam antes do campeonato começar”. 

A estreia ocorreria no sábado (8), contra o Paiçandu, junto das demais equipes da terceirona. No entanto, o torcedor de Itambé terá que esperar um pouco mais para ver a equipe em quadra. O jogo foi adiado para fim do mês e, com isso, a primeira partida do time será disputada no dia 15 de maio, em casa, diante do São João do Ivaí.

Até aqui, o Itambé realizou seis amistosos e venceu um. Perdeu para o Apucarana por duas vezes: 6×3 e 8×4. Diante do Seleto de Maringá, outro integrante da Série Prata, sofreu revés de 3×1. Já contra os adversários na Bronze, levou 2×1 do Cafeeira do Marquinho e 8×2 do Cianorte. A vitória veio contra o selecionado de Jataizinho: 6×1. 

“O Itambé é uma equipe em modelagem, com pratas da casa. A ideia é evoluir como equipe. Vamos jogar a 1ª fase com equipes de investimentos limitados, tal como nós, e a ideia é passar se classificar pra pegar corpo. Almejamos, no mínimo, a 3ª fase. Espero que até lá estejamos com um nível de entendimento e proposta de jogo elevados, para quem sabe brigar pelo acesso”. 

A disputa 

Neste ano, a Série Bronze conta com 24 clubes divididos em seis chaves com quatro equipes cada. O Itambé está no Grupo Centro-Norte junto com Doutor Camargo, São João do Ivaí e Paiçandu

Os primeiros colocados garantem vaga direta para a 3ª fase. Os segundos e terceiros, além dos quatro melhores últimos, vão à 2ª fase.  Quem chegar à semifinal garante o acesso à Série Prata de 2022

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail