Protagonista do Marechal, Biro reencontra o Operário Laranjeiras

Jogador fica frente a frente com adversário da semifinal marcante da Série Bronze de 2019

Por Juliam Nazaré

Personagem de um dos capítulos mais importantes da trajetória do Operário Laranjeiras, o fixo Biro reencontra o adversário após duas temporadas. Ele estará em quadra pelo Marechal, no jogo que começa às 19 horas deste sábado (14), no Laranjão. O confronto é válido pela 14ª rodada da Série Ouro do Campeonato Paranaense de Futsal.

Biro versus Operário em 2019

A Série Bronze de 2019 teve 31 clubes. As duas primeiras fases foram disputadas em grupos. A partir de então, o estadual tomou forma de eliminatória. A semifinal colocou frente a frente os dois times considerados favoritos ao título: Operário e Prude, de Biro. “A gente não queria pegar o Operário naquela semifinal e sim na decisão. Dizia-se que isso ‘estragou’ o campeonato”, conta o jogador. Nos dias que antecederam o duelo, Biro foi “cornetado” na internet. “Os operarianos me enviavam mensagens, nunca em desrespeito”, recorda.

O jogo de ida foi em Laranjeiras do Sul, com ginásio lotado. Naquele ano, o Rubrão teve média de 1,7 mil pessoas por jogo. O 1º tempo terminou em 2×1 para os donos da casa, mas com muito equilíbrio dentro de quadra. Mas o Operário conseguiu tomar conta da partida no início do 2º tempo, quando Biro foi expulso. O fato foi comemorado como um gol pela torcida. O torcedor Evandro Muller lembra da estratégia traçada. “Queríamos pressionar os adversários e fizemos isso no mata-mata, para acarretar a expulsão de algum adversário. Conseguimos em todos os jogos. Na semifinal, foi o Biro. Aquilo afetou a estrutura do Prude.”
O próprio jogador reconhece a influência do público. “Nesse jogo, houve muita pressão da torcida, principalmente direcionada a mim, pois era o mais experiente em quadra. Então, a primeira falta foi para cartão, a segunda não. O árbitro foi caseiro. Eu era um cérebro pensante do time e isso arrebentou com a gente”, conta.

Quase rubro-negro por duas vezes

Biro em ação pelo Prudentópolis, no jogo de ida da semifinal da Bronze de 2019. Foto: Abel da Banca

Fato pouco conhecido é que Biro por pouco não vestiu a camisa laranjeirense. Em 2019, quando o elenco para a terceirona era montado, ele foi procurado pelo técnico Daniel Pruêncio. “Naquele momento, eu já conversava com o André Demczuk e então o Daniel me procurou. Não conhecia nenhum deles. Na época, a questão financeira foi preponderante e fui para o Prude”, revela.
No fim do mesmo ano, foi Luciano Bonfim quem entrou em contato. “Ele me ligou, disse que queria contar comigo, mas isso dependia de eu ter renovado ou não com o Prude, pois ele respeita muito isso. Então não deu certo.”

Da incerteza no Prude ao protagonismo no Marechal


A temporada de 2020 começou da forma como terminou 2019 para o Prude: reconhecido como favorito. Entretanto, veio a pandemia e o clube, com problemas financeiros, fechou as portas. Biro conseguiu espaço noutro clube. Mais do que isso: voltou à Série Ouro, com o Marechal, na cidade onde já havia marcado época com a camisa da Copagril.
O jogador, um “Diego Souza do futsal paranaensejá defendeu 10 clubes do estado – além dos já citados, passou por Aymoré de Matelândia, CAD, Caramuru, Dois Vizinhos, Keima de Ponta Grossa, São Miguel e Umuarama. Aos 37 anos, é o capitão da equipe que disputa o estadual e a Liga Nacional.
“ O Roberto (técnico) era o preparador físico da Copagril, ele me motiva e tem muita confiança em mim. Voltei para a Liga Nacional, estou muito feliz. Eu falo para os mais novos: quem corre agora é a bola. Com o tempo aprendi a utilizar os atalhos da quadra. Eu contraria as estatísticas”, decreta.

Prossegue o tabu?


O jogo de logo mais não terá a presença da torcida. Ainda assim, o Biro afirma que o confronto tem significado especial: vencer o Operário é um desejo. “Nunca ganhei deles, essa vitória está engasgada.”
No lado dos anfitriões, o presidente da torcida organizada Sangue Rubro-Negro, Renan Jakobouski elogia o atleta, mas revela confiança nas estratégias de Luciano Bonfim. “O Biro já sentiu a pressão da nossa torcida nas partidas mais emocionantes e mais importantes da história do clube. Ele é um dos pilares da equipe deles, que requer muito cuidado, pois mesmo com características defensivas faz muitos gols. Mas o nosso técnico deve ter preparado bem o time”.

Campeonato


Com 26 pontos em 13 jogos, o Operário está em 3º e faz o último confronto dentro de casa na 1ª fase. Dentro do G4, o clube pode carimbar a vaga direta para a 3ª fase caso vença nesta noite. O Marechal aparece em 11º, com 15 pontos em 13 partidas.