Estudante da UFFS tem TCC premiado em concurso

Cassiane Uliana, aluna de agronomia, pesquisou sobre a bioatividade do óleo essencial das folhas e da semente da gabiroba e conseguiu destaque em programa do Crea-PR

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da estudante Cassiane Uliana, da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Laranjeiras do Sul foi classificado em 3º lugar, na modalidade Agronomia, na 5ª edição do Prêmio Melhores TCCs, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR).

Cassiane é acadêmica de agronomia e apresentou, no final de 2020, o trabalho intitulado “Bioatividade do óleo essencial das folhas e óleo da semente de Campomanesia Xanthocarpa Berg em plantas”, o qual foi premiado no concurso do Crea-PR.

A pesquisa

Conforme relatado no trabalho, “em sistemas de manejo orgânico as plantas espontâneas são um dos principais problemas enfrentados para produção, sendo estas, muitas vezes, difíceis de serem controladas sem a utilização de produtos sintéticos”.
A autora explica: “estudos relatam que a guabiroba (Campomanesia xanthocarpa Berg) apresenta, em sua composição química, compostos com potencial bioativo contra microrganismos patogênicos, como bactérias, por exemplo. Devido ao potencial bioativo da guabiroba, o trabalho avaliou o efeito de extratos das sementes e folhas da fruta no desenvolvimento inicial de espécies vegetais espontâneas e cultivadas”.

Os extratos foram preparados nos laboratórios da UFFS e posteriormente testados em diferentes concentrações no desenvolvimento inicial de plantas cultivadas – trigo (Triticum aestivum) e alfafa (Medicago sativa) e plantas espontâneas – capim amargoso (Digitara insularis) e capim annoni (Eragrostis plana).

A pesquisa identificou que o óleo das sementes de guabiroba apresentou redução do crescimento inicial do trigo, alfafa e capim amargoso, sendo o trigo a espécie com maior sensibilidade e o capim annoni com maior tolerância.
Já para o óleo essencial das folhas em desenvolvimento inicial as quatro espécies testadas apresentaram sensibilidade à aplicação, sendo o trigo a mais sensível, seguido de alfafa.

A espécie com maior tolerância foi o capim annoni, seguida do capim amargoso. Em relação ao crescimento em estádio de planta, o óleo da semente de guabiroba apresentou forte inibição para trigo e alfafa, enquanto que o capim amargoso e o capim annoni apresentaram menor taxa de mortalidade.

Dos experimentos avaliados, o óleo essencial das folhas de guabiroba apresentou maior eficiência fitotóxica, sendo o capim annoni a espécie que apresentou maior resistência e o trigo e a alfafa as que apresentaram maior sensibilidade à solução aplicada.

Cassiane conclui: “embora os resultados obtidos tenham sido positivos e atenderam o objetivo do trabalho, os dados coletados ainda não foram suficientes para comprovar a viabilidade da utilização de extratos brutos no manejo de plantas espontâneas. Para isso propõe-se a realização de trabalhos futuros para a identificação de substâncias ou conjunto de substâncias que causam fitotocixidade seguidos de novos bioensaios de fitotoxicidade”.

O TCC foi elaborado por Cassiane sob a orientação do professor Henrique von Hertwig Bittencourt e coorientação de Luciano Tormen. A autora também recebeu o auxílio dos técnicos de laboratório da UFFS, Diogo Siqueira, responsável pelo laboratório de Ciência das Plantas Espontâneas e Marcelo Grassi, responsável pela central analítica, que contribuíram para a realização da pesquisa.

Conforme Bittencourt “a guabiroba é uma planta nativa que produz grande diversidade de produtos naturais. Algumas dessas substâncias ainda não são conhecidas e muitas podem ter inúmeras utilidades para o homem. Esse trabalho teve como objetivo avaliar a composição química de extratos da guabiroba e a sua eficiência na redução do crescimento de plantas. Seus resultados promissores ressaltam a importância de conservação dos recursos naturais, em especial a biodiversidade, cujo valor para nossa sociedade é incalculável”.