Márcio dos Alexandre dá detalhes de atentado, relata suspeitas e pede justiça

Em uma entrevista concedida ao jornal Extra, de Guarapuava, que faz parte do Grupo Correio, o ex-vereador de Laranjeiras do

Em uma entrevista concedida ao jornal Extra, de Guarapuava, que faz parte do Grupo Correio, o ex-vereador de Laranjeiras do Sul, Márcio dos Alexandre, deu detalhes sobre o atentado que colocou a vida de sua esposa, Simone Lopes, entre a vida e a morte.

Os dois foram alvo de uma tocaia no dia 10 de fevereiro, nas redondezas da residência do casal, no bairro Monte Castelo, em Laranjeiras do Sul. Na ocasião, Márcio conseguiu se salvar sem sofrer nem um disparo. Destino diferente sofrido pela companheira, que foi alvejada cinco vezes. Ela está internada desde então na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de Guarapuava. Com alguns órgãos perfurados, ela já passou por cirurgias e apresenta estado crítico. Conforme o marido, ela teve uma infecção que chegou ao sangue e, em razão disso, muita febre.

Márcio desde então vem visitando a esposa cotidianamente e foi num intervalo destas visitas que ele concedeu a entrevista. 


O fato

Márcio diz que, no final da tarde fatídica, estava trabalhando em casa, no ajuste de canos d’água, junto de um vizinho. “Quando cheguei no portão, minha esposa me convidou para irmos até outra residência, onde há uma horta. Só que já estava escurecendo, mas ela insistiu. Disse que queria buscar couves. Então, eu deixei o meu filho de dois anos com o meu cunhado – graças a deus não o levei junto”, relata.

Ao chegar no local, cerca de 50 metros da residência do casal, Márcio teria se deparado com um indivíduo armado. “Empurrei minha esposa e então começaram os disparos. Eu cai, rolei para a direita, para a esquerda, e os disparos acontecendo. Havia mais de duas pessoas. Sei que minha esposa correu e um dos homens correu atrás dela, atirando e quando ela caiu ele fez mais disparos. Foram covardes”. 

Márcio acredita que o fato pode ter alguma ligação com outra tentativa de homicídio. “Inimigos eu não tenho. Acredito que isso seja devido a uma tentativa de homicídio que ocorreu contra um cunhado meu. Pode ser política ou coisa parecida. A Polícia está investigando. Minha esposa não faz mal a ninguém. É uma rica pessoa”. 

Ele diz que chegou a ver a face de alguns dos atiradores e que chega até a desconfiar de quem seja o mandante. “Eu agradeço a Deus por estarmos vivos e pela recuperação dela. Eu quero justiça, pois o que fizeram com minha esposa foi uma crueldade. Ela é muito querida na cidade, todos a conhecem. Agora a prioridade é a minha família. Estamos abalados, tenho um filho de dois anos em que a minha esposa estava amamentando e ele está muito triste. Peço justiça. Que esse crime covarde não fique impune”.