Responsivo

Secretária de Assistência Social de Laranjeiras aponta trabalho de enfrentamento à pobreza

“Em 2023,1.348 das 4.065 famílias inscritas no CadÚnico estavam em situação de carência econômica. A proteção social básica e especial foram e são fundamentais, promovendo bem-estar e qualidade de vida”, disse Regiane Castro.

Nesta semana (20), foi o Dia Mundial da Justiça Social. Definida em Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), essa data propõe uma reflexão sobre o enfrentamento da pobreza, da discriminação, do desemprego e de qualquer outra forma de exclusão ou marginalização. O tema não é exclusivo aos países em desenvolvimento. Interessa igualmente aos povos de todo o globo, pois é a partir da justiça social que se constrói uma base sólida para uma coexistência pacífica e próspera entre as nações.
Para entender a relevância dessas questões em âmbito local, a secretária de Assistência Social de Laranjeiras do Sul, Regiane Castro, compartilha os números no município no município. “De acordo com informações do Cadastro Único, em dezembro de 2023, havia 4.065 famílias cadastradas. Dentre elas, 1.348 estavam em situação de pobreza (33%), enquanto 1.260 estavam em situação de baixa renda (31%) e 1.457 possuíam renda acima de meio salário mínimo (36%)”, disse ela.

Ações e programas
Para dar assistência a estas famílias, Regiane afirma que a desempenha um papel fundamental na promoção da justiça social no município, coordenando programas e ações que visam garantir a proteção social aos cidadãos. “A proteção social básica, ofertada no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), destinada à prevenção de riscos sociais e pessoais, oferece serviços como o Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV), benefícios eventuais, orientação para acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), inclusão e atualização cadastral do CadÚnico, programa Bolsa Família e oficinas de geração de renda são excelentes e trazem resultados”, detalha.
Além disso, a pasta também oferece a proteção social especial, ofertada no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), destinada a famílias e indivíduos em situação de risco, oferece serviços como Serviço de Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI), atendimento a adolescentes em medidas socioeducativas, abordagem social e proteção especial para pessoas com deficiência, idosas e suas famílias.

Impacto na comunidade
Regiane ressalta exemplos concretos de como esses programas e ações têm impactado a vida das pessoas. “Os serviços e programas da assistência social promovem o bem-estar e qualidade de vida, protegendo contra situações de risco. Além disso, oferecem a inclusão social, fortalecendo os laços familiares e comunitários, prevenindo problemas sociais e garantindo o acesso a direitos básicos”.
Entretanto, a implementação eficaz dessas políticas não está isenta de desafios. Segundo a secretária, os maiores desafios são de ordem financeira, pois, embora seja responsabilidade dos três entes federados cofinanciarem a política de assistência social, a maior parte do cofinanciamento recai sobre o município.

Papel da sociedade civil
A secretária enfatizou a importância da participação ativa dos cidadãos. “Reconhecemos a significância da participação da sociedade civil na promoção da justiça social, valorizando o papel essencial das organizações. Essas que desempenham um papel fundamental na conscientização, envolvimento ativo dos cidadãos, prestação de serviços diretos às comunidades, monitoramento das políticas governamentais e liderança em iniciativas inovadoras”.
Por fim, quanto à efetividade das políticas públicas de justiça social no município, a secretária mencionou que “A secretaria avalia a efetividade das políticas por meio de diversos indicadores e ferramentas de monitoramento, garantindo uma atuação mais eficaz na promoção da justiça social para todos os cidadãos”.