Jair Rocha: tirei Cantagalo do fundo do poço

Atual prefeito busca a reeleição pelo Partido Liberal. Ele diz que, por conta das dívidas da gestão anterior, não pôde desenvolver por completo seu projeto de desenvolvimento para a cidade, e por isso quer a continuidade

Jair Rocha da Silva. Natural de Cândido Abreu, deixou a terra-natal aos 18 anos para estudar. Formou-se em filosofia e teologia. Em 2003, formou-se padre e começou a vida missionária trabalhando em Pinhão. Depois, chegou a Cantagalo. 
No caminho deste missão religiosa, recebeu o convite para representar um dos grupos políticos do municípios nas eleições de 2012. Após abdicar-se da vida missionária, que para ele, foi a decisão mais difícil da vida, perdeu o pleito. Quatro anos depois, enfim chegou à prefeitura. Agora, com a mesma vice (Dona Neuza), ele busca a reeleição, pelo Partido Liberal.  


Jornal Correio do Povo do Paraná: A sua candidatura à reeleição era dada como incerta. No entanto, o senhor optou por buscar a renovação do mandato. Por quê?
Jair: O comentário surgiu antes da minha primeira candidatura, onde estava para ser feita uma reforma política, em que o mandato de prefeito teria cinco anos e não haveria a reeleição. A lei não mudou e optamos por concorrer novamente. O voto do eleitor foi para que mudássemos os rumos da política de Cantagalo. Não conseguimos implantar totalmente esse novo jeito devido à situação econômica em que encontramos o município. Então, optamos pela reeleição para poder colocar em prática, por completo, o nosso projeto.


JCPP: Como foram esses primeiros quatro anos de governo?
Jair: Muito difícil. A comunidade acompanhou. Assumimos Cantagalo com R$ 7 milhões de dívidas. Arrecadamos, em média, R$ 2 milhões por mês. Cheguei à prefeitura com 460 funcionários batendo panela para poder receber salário. Assumimos com uma dívida de R$ 1,3 milhão em água. O prefeito anterior não pagou água em quatro anos de mandato. 
No Fundo de Previdência, tínhamos mais de R$ 2 milhões em dívidas. Ele não depositava a parte patronal para o funcionário. Não tínhamos certidão, crédito. As contas estavam reprovadas no TCE. Os fornecedores faziam fila para receber. Não tivemos transição de governo. O prefeito anterior não permitiu – até para não mostrar a destruição que existia. Assumi sem saber disso e fui descobrindo os rolos. O pátio de máquinas não tinha um caminhão e um ônibus com pneu para rodar 50 quilômetros. Cantagalo estava destruído e começamos a reconstruir a credibilidade. Tivemos as três contas do meu mandato aprovadas no Tribunal de Contas. Os funcionários recebem adiantado. Cantagalo saiu do fundo do poço e está pronto para crescer mais. 


JCPP: Qual será a principal bandeira num eventual novo governo?
Jair: A minha bandeira principal sempre foi a geração de empregos. Precisamos segurar os nossos jovens aqui. Temos muitos universitários que terminam o curso e não conseguem encontrar vaga para atuar. Vamos usar a mesma bandeira, pois não tivemos condições para comprar um terreno para gerar empregos. Esses R$ 7 milhões pagos em dívidas, davam para comprar o terreno, construir barracões e dar incentivos para empresas instalarem-se aqui. Vamos investir também na saúde. O hospital foi fechado pelo proprietário e estamos tentando reabrir. O projeto é complexo, está sendo finalizado e será reaberto.


JCPP: O senhor pretende manter o mesmo grupo de secretários?
Jair: Faremos ajustes. Principalmente na campanha, recebemos uma reclamação aqui, uma sugestão ali. Como o governo segue, algumas peças, aquelas que dão certo, são mantidas. O que for necessário ser corrigido, assim será.


JCPP: Nos últimos anos, o esporte de Cantagalo conseguiu destaque a nível estadual. Quais seus projetos para esse setor?
Jair: Nunca se investiu tanto no esporte quanto no meu governo. Foram R$ 2 milhões só em infraestrutura. Criamos campo de society, trocamos a quadra do Barbosão, construímos um complexo esportivo na Vila Maria Augusta – como não há na região. Temos pista de caminhada, de corrida. Investimos não só numa modalidade. Buscamos dar oportunidade para todos os públicos do esporte. Nosso papel é proporcionar atividades conforme a preferência do cidadão. 
Precisamos agora investir em atletas, para que tenham condições de participar de competições de alto nível, como ocorre com o CAC na Série Bronze, e como ocorreu com a Caçula, na Série Ouro Feminina. Nosso município têm se apresentado bem aqui e fora. 


JCPP: O que senhor prepara para o interior de Cantagalo?
Jair: Fizemos algo inédito para o interior. Há mais de 30 anos a população pedia um asfalto. Os políticos prometiam na campanha, mas não faziam. Conseguimos fazer 10 quilômetros de asfalto, aliviando o sofrimento para a população. Se andavam a 20 KM/H, agora podem andar a 100 KM/H, que o carro não ficará danificado. Não temos nem uma estrada em mau estado. Queremos investir na área da agricultura, principalmente na piscicultura. E também quero investir em aviários.


JCPP: Por que o eleitor deve votar novamente em você?
Jair: Porque nós significamos trabalho sério e competente. Votar em Jair e Dona Neuza, é votar em que você conhece e confia. Significamos um projeto do bem.